sábado, 11 de março de 2017

CAPÍTULO IV - MUNIQUE

       

Na primavera de 1912 fui definitivamente para Munique.
Aquela cidade parecia-me tão familiar como se eu tivesse morado há longo tempo dentro de seus muros. Isso provinha do fato de que os meus estudos a cada passo se reportavam a essa metrópole da arte alemã. Quem não conhece Munique não viu a Alemanha, quem não viu Munique não conhece a arte alemã.
Entretanto, esse período anterior à guerra foi o mais feliz e tranqüilo de minha vida. Se bem que os meus salários fossem ainda muito reduzidos, eu não vivia para poder pintar, mas pintava para dessa maneira, assegurar a minha vida ou, melhor, para assim poder continuar os meus estudos. Eu estava convencido de que um dia ainda conseguiria o meu objetivo. E só isso já me fazia suportar comindiferença todos os pequenos aborrecimentos da vida quotidiana. Acrescente-se mais o grande amor que eu tinha por aquela cidade, quase que desde a primeira hora da minha permanência ali. Uma cidade alemã! Que diferença de Viena! Sentia-me mal em pensar naquela babel de raças. Além disso, o dialeto muito mais chegado a mim, me fazia lembrar a minha juventude, sobretudo no trato com a Baixa Baviera. Havia milhares de coisas que já eram ou com o tempo se me tornaram caras. O que, porém, mais me atraía era a admirável aliança da força e da arte no ambiente geral, essa linha única de monumentos que vai do Hofbräuhaus ao Odeon, da Ocktoberfest à Pinacoteca. Sinto-me hoje pertencer mais àquela cidade do que a qualquer outro lugar do mundo e isso devido ao fato de estar a mesma inseparavelmente ligada à minha própria vida, à minha evolução. O fato de, já naquela ocasião, eu gozar uma verdadeira tranqüilidade, era de atribuir-se ao encanto que a admirável residência de Witteisbachexerce sobre todos os homens que possuam qualidades intelectuais aliadas a sentimentos artísticos.
O que, afora os trabalhos de minha profissão, mais me atraía, era o estudo dos acontecimentos políticos do dia, sobretudo os da política externa. Eu cheguei a estes através dos rodeios da política alemã de aliança, a qual, desde os meus tempos da Áustria, considerava absolutamente falsa. Apenas não compreendera, em Viena, em toda a sua extensão, como o Reich a si mesmo se enganava, com a prática daquela política. Já naquela época estava eu inclinado a admitir - ou procurava convencer-me a mim mesmo, exclusivamente como desculpa - que possivelmente em Berlim já se sabia quão fraco e pouco merecedor de confiança seria na realidade o aliado austríaco, o que, entretanto, por motivos mais ou menos secretos, se mantinha sob reserva, a fim de apoiar uma política de aliança que o próprio Bismarck havia inaugurado e cujo abandono brusco não era aconselhável, para não assustar o estrangeiro ou inquietar o povo, no interior.
Entretanto, as minhas relações, sobretudo entre o povo, fizeram que muito depressa verificasse, horrorizado, que essa minha convicção era falsa. Com grande surpresa minha, tive de constatar, em toda parte, que, mesmo nos círculos bem informados, não se tinha a mais pálida idéia do caráter da monarquia dos Habsburgos. Justamente entre o povo dominava a persuasão de que o aliado devia ser considerado uma potência de verdade que, na hora do perigo, agiria como um só homem. No seio da massa, considerava-se sempre a Monarquia como um Estado alemão e pensava-se também poder contar com ela. Pensava-se que a força nesse caso tambémpodia ser computada por milhares, como por exemplo na própria Alemanha, e esquecia-se, inteiramente: 1.°) que, há muito tempo. a Áustria deixara de ser um Estado de caráter alemão; 2.°) que as condições internas daquele país cada vez mais tendiam para a desagregação.
Naquele tempo se conhecia melhor aquela estrutura de Estado do que a chamada diplomacia oficial, a qual, como quase sempre, cambaleava cegamente para a fatalidade. A disposição de ânimo do povo nada mais era que o resultado daquilo que de cima se despejava na opinião pública. Os de cima, porém, mantinham pelo aliado um culto como pelo bezerro de ouro. Esperava-se poder substituir por habilidade aquilo que faltava emsinceridade. Tomavam-se sempre as palavras como valores reais.
Em Viena eu me encolerizava ao constatar a diferença que, de tempos a tempos, aparecia entre os discursos dos estadistas oficiais e o modo de expressar-se da imprensa local. Entretanto, Viena era, ao menos aparentemente, uma cidade alemã. Como eram diferentes as coisas, quando se saia de Viena, ou melhor da Áustria alemã, e se caía nas províncias eslavas do Reich! Bastava que se manuseassem os jornais de Praga para saber-se de que maneira era ali julgada a sublime fantasmagoria da Tríplice Aliança. Ali só havia cruel ironia e sarcasmopara essa obra-prima dos estadistas. Em plena paz, enquanto os dois imperadores trocavam entre si o beijo da amizade, ninguém ocultava que essa aliança desapareceria no dia em que se tentasse, do mundo de fantasias, - espécie de ideal dos Nibelungen - transportá-la para a realidade prática.
Quanta excitação houve quando, alguns anos depois, chegada a hora da prova da Tríplice Aliança, a Itália abandonou-a, deixando os seus dois companheiros, para, enfim,transformar-se em inimiga! A não ser para aqueles que estivessem atacados de cegueira diplomática, era simplesmente incompreensível que, mesmo por um minuto, se pudesse acreditar no milagre de vir a Itália a combater ao lado da Áustria. Entretanto, as coisas na Áustria não se passavam de modo diferente.
Na Áustria, só os Habsburgos e os alemães eram adeptos da idéia de aliança. Os Habsburgos por cálculo e necessidade; os alemães por credulidade e estupidez política. Por credulidade, porque eles pensavam, por meio da Tríplice Aliança, prestar um grande serviço à Alemanha, fortalecê-la e protegê-la; por estupidez política, porém, porque o que eles imaginavam não correspondia à realidade, pois que estavam apenas concorrendo para acorrentar o Império à carcassa de um Estado morto, que teria de arrastá-los ao abismo, sobretudo porque aquela aliança contribuía para, cada vez mais, desgermanizar a própria Áustria. Porque, desde que os Habsburgos acreditavam que uma aliança com o Império poderia garanti-los contra qualquer interferência de parte deste - e infelizmente nisso tinham razão - eles ficavam capacitados a continuarem na sua política de livrar-se, gradualmente, da influência germânica no interior, com mais facilidade e menos risco. Eles tinham que temer qualquer protesto de parte do governo alemão, que era conhecido pela objetividade de seu ponto de vista e, além disso, tratando com os austríacos alemães, podiam sempre fazer calar qualquer voz impertinente que se levantasse contra qualquer feio exemplo de favoritismo para com os eslavos, com uma simples referência à Tríplice Aliança.
Que poderia fazer o alemão na Áustria, se o próprio alemão do Império exprimia reconhecimento e confiança no governo dos Habsburgos?
Deveria oferecer resistência para depois ser estigmatizado por toda a opinião pública alemã como traidor da própria nacionalidade? Ele, que há dezenas de anos vinha fazendo os maiores sacrifícios pela sua nacionalidade!
Que valor, porém, possuía essa aliança, caso tivesse sido destruído o germanismo da monarquia dos Habsburgos. Não era, para a Alemanha, o valor da Tríplice Aliança, dependente da manutenção da hegemonia alemã na Áustria? Ou acreditava-se, por acaso, que mesmo com a eslavização do Império dos Habsburgos, se pudesse manter a aliança?
A atitude da diplomacia alemã oficial, bem como também de toda a opinião pública comrelação ao problema interno das nacionalidades na Áustria, não era simplesmente uma tolice mas uma verdadeira loucura! Contava-se com uma aliança, fazia-se o futuro e a segurança de um povo de setenta milhões de habitantes dependerem dela - e ficava-se observando, impassível, como, de ano para ano, a única base para essa aliança era sistematicamente, infalivelmente destruída pelo aliado! Chegaria o dia em que restaria apenas um tratado com a diplomacia vienense, mas o auxílio do aliado do Império faltaria no momento oportuno.
Na Itália isso se verificara desde o princípio.
Se se tivesse feito um estudo mais inteligente da história da Alemanha e da psicologia da raça, ninguém poderia ter acreditado, por um instante, que o Quirinal de Roma e o Hofburg de Viena viessem um dia a lutar, lado a lado, em uma frente única de batalha. A Itália se transformaria num vulcão antes que qualquer governo ousasse enviar um só italiano a combate. O Estado dos Habsburgos era fanaticamente odiado. Os italianos só poderiammarchar como inimigos! Mais de uma vez vi flamejar em Viena o apaixonado desdém e insondável ódio que mantinham os italianos contra o Estado austríaco. Os erros e crimes da Casa de Habsburgo, no decurso dos séculos, contra a liberdade e a independência da Itália, eram demasiado grandes para jamais serem esquecidos, mesmo na hipótese de haver qualquer desejo nesse sentido. Não havia tal desejo nem entre o povo nem de parte do governo italiano. Para a Itália, por isso, só havia dois modos possíveis de tratar com a Áustria - a aliança ou a guerra.
Tendo escolhido o primeiro, podiam eles preparar-se calmamente para o segundo.
A política alemã de aliança era ao mesmo tempo inexpressiva e arriscada, especialmente desde que as relações da Áustria para com a Rússia tendiam crescentemente para uma solução pela guerra.
Foi esse um caso clássico, em que se pôde constatar a falta de grandiosas e acertadas linhas de conduta.
Por que, pois, foi concluída uma aliança? Simplesmente para garantir o futuro do Reich, quando ele estava em posição de manter-se sobre os próprios pés. O futuro do Reich estava na política de habilitar, por todos os meios, a nação alemã a continuar existindo.
Por conseqüência, o problema deveria ter sido posto assim: que forma deverá assumir a vida da nação alemã em um futuro tangível? E como se poderá garantir a essa evolução os necessários fundamentos e a necessária segurança, no quadro do concerto das potências européias?
Considerando claramente as condições para a atividade da política externa, tinha-se de fatalmente chegar à seguinte convicção:
A Alemanha tem um acréscimo de população de, aproximadamente, 900 mil almas por ano. A dificuldade de alimentação desse exército de novos cidadãos tem de aumentar de ano para ano e acabar finalmente numa catástrofe, caso se não encontrem meios de, em tempo, dominar o perigo da miséria e da fome.
Havia quatro caminhos para evitar esse tremendo desenlace.
1° Podia-se, a exemplo da França, limitar artificialmente o acréscimo de nascimentos e, com isso, impedir uma superpopulação.
A própria natureza costuma agir no sentido de limitar o aumento de população de determinadas terras ou raças, em épocas de grandes necessidades ou más condições climáticas, bem como de pobreza do solo; e isso com um método tão sábio quão inexorável. Ela não impede a capacidade de procriação em si e sim, porém, a conservação dos rebentos, fazendo com que eles fiquem expostos a tão duras provações que o menos resistente é forçado a voltar ao seio do eterno desconhecido, o que ela deixa sobreviver às intempéries está milhares de vezes experimentado e capaz de continuar a produzir, de maneira que a seleção possa recomeçar. Agindo desse modo brutal contra o indivíduo e chamando-o de novo momentaneamente a si, desde que ele não seja capaz de resistir à tempestade da vida, a natureza mantém a raça, a própria espécie, vigorosa e a torna capaz das maiores realizações.
A diminuição do número, por esse processo, redunda em um reforço da capacidade do indivíduo e, por conseguinte, em última análise, em um revigoramento da espécie.
As coisas se passam de outra maneira quando é o homem que toma a iniciativa de provocar a limitação de seu número. Ai é preciso considerar não só o fator natural como o humano. O homem sabe mais que essa cruel rainha de toda a sabedoria - a natureza. Ele não limita a conservação do indivíduo, mas a própria reprodução. Isso lhe parece, a ele que sempre tem em vista a si mesmo e nunca à raça, mais humano e mais justificado que o inverso. Infelizmente, porém, as conseqüências são também inversas.
Enquanto a natureza, liberando a geração, submete, entretanto, a conservação da espécie a uma prova das mais severas, escolhendo dentro de um grande número de indivíduos os que julga melhores e só a estes conserva para a perpetuação da espécie, o homem limita a procriação e se esforça, aferradamente, para que cada ser, uma vez nascido, se conserve a todo preço. Essa correção da vontade divina lhe parece ser tão sábia quanto humana e ele alegra-se de, mais uma vez, ter sobrepujado a natureza e até de ter provado a insuficiência da mesma. E o filho de Adão não quer ver nem ouvir falar que, na realidade, o número é limitado, mas à custa do apoucamento do indivíduo.
Sendo limitada a procriação e diminuído o número dos nascimentos, sobrevem, em lugar da natural luta pela vida, que só deixa viverem os mais fortes e mais sãos, a natural mania de conservar e salvar a todos, mesmo os mais fracos, a todo preço. Assim se deixa a semente para uma descendência que será tanto mais lamentável quanto mais prolongado for esse escárnio contra a natureza e suas determinações.
O resultado final é que um tal povo um dia perderá o direito à existência neste mundo, pois o homem pode, durante um certo tempo, desafiar as leis eternas da conservação, mas a vingança virá mais cedo ou mais tarde. Uma geração mais forte expulsará os fracos, pois a ânsia pela vida, em sua última forma, sempre romperá todas as correntes ridículas do chamado espírito de humanidade individualista, para, em seu lugar, deixar aparecer uma humanidade natural, que destrói a debilidade para dar lugar à força.
Aquele, pois, que quiser assegurar a existência ao povo alemão limitando a sua multiplicação, rouba lhe com isso o futuro.
2° Outro caminho seria aquele que hoje em dia freqüentemente ouvimos aconselhado e louvado: a chamada colonização interna. Essa é uma proposta que muitos fazem, na melhor das intenções, que é, porém, mal compreendida pela maioria e que pode trazer, por isso, os maiores prejuízos imagináveis. Sem dúvida, a capacidade produtiva de um terreno pode ser elevada até determinado limite. Mas só até esse limite determinado e não infinitamente mais. Durante um certo lapso, poder-se-á, portanto, compensar, sem perigo de fome, a multiplicação do povo alemão por meio do aumento do rendimento de nosso solo. Entretanto, a isso se opõe o fato de crescerem as necessidades da vida mais do que o número da população. As necessidades humanas com relação ao alimento e ao vestuário crescem de ano para ano e, por exemplo, já hoje em dia, não estão em proporção com as necessidades de nossos antepassados de cem anos atrás. É, pois, errôneo pensar que cada elevação da produção provoque a condição necessária a uma multiplicação da população. Isso se dá até um certo ponto, pois que ao menos uma parte do aumento da produção do solo é consumida na satisfação das necessidades superiores da humanidade. Entretanto, com a máxima parcimônia de um lado e a máxima diligencia por outro lado, chegará umdia em que um limite será atingido pelo próprio solo. Mesmo com toda a diligência, não será possível aproveitá-lo mais e surgirá, embora protelada por algum tempo, uma nova calamidade. A fome aparecerá de tempos em tempos, quando houver má colheita. Com o aumento da população, isso se dará cada vez mais, de sorte que isso só não aparecerá quando raros anos de riqueza encherem os armazéns de víveres. Entretanto, finalmente, aproximar-se-á a época em que não se poderá mais atender à miséria e a fome, então, tornar-se-á a companheira de um tal povo. A natureza terá de prestar auxílio de novo e proceder à seleção entre os escolhidos, destinados a viver; ou então é o próprio homem que a si mesmo se auxilia, lançando mão do impedimento artificial de sua reprodução comtodas as graves conseqüências para a raça e para a espécie. Poder-se-á ainda objetar que esse futuro está destinado a toda a humanidade, de uma maneira ou de outra, e que, portanto, nenhum povo conseguirá naturalmente escapar a essa fatalidade.
À primeira vista, sem mais considerações, isso está certo. Há, também, a considerar o seguinte: numa determinada época, toda a humanidade será certamente forçada a interromper o aumento do gênero humano ou a deixar a natureza decidir, por si própria. Essa situação atingirá a todos os povos, mas atualmente só serão atingidas por essa miséria as raças que não possuem energia suficiente para assegurarem para si o solo necessário. Ninguém contesta que, hoje em dia, ainda há neste mundo solo em extensão formidável e que só espera quem o queira cultivar. Da mesma forma também é certo que esse solo não foi reservado pela natureza para uma determinada nação ou raça, como superfície de reserva para o futuro. Trata-se, sim, de terra e solo destinados ao povo que possua a energia de o conquistar e a diligência de o cultivar.
A natureza não conhece limites políticos. Preliminarmente, ela coloca os seres neste globo terrestre e fica apreciando o jogo livre das forças. O mais forte em coragem e em diligência recebe o prêmio da existência, sempre atribuído ao mais resistente.
Quando um povo se limita à colonização interna, enquanto outras raças se agarram a cada vez maiores extensões territoriais, será forçado a restringir as suas necessidades, emuma época em que os outros povos ainda se acham em constante multiplicação. Esse caso dá-se tanto mais cedo quanto menor for o espaço à disposição de um povo. Como, porém, em geral, infelizmente, as melhores nações, ou mais corretamente falando, as únicas raças verdadeiramente culturais, portadoras de todo o progresso humano, muitas vezes se resolvem na sua cegueira pacifista a desistir de nova aquisição de solo, contentando-se coma colonização interna, nações inferiores sabem assegurar-se enormes territórios. Tudoisso conduz a um resultado final:
As raças culturalmente melhores, mas menos inexoráveis, teriam de limitar a sua multiplicação, por força da limitação do solo, ao passo que os povos culturalmente mais baixos, naturalmente mais brutais, ainda estariam, em conseqüência da maior superfície disponível, em condições de se reproduziremilimitadamente, por outras palavras, dia viria em que o mundo passaria a ser dominado por uma humanidade culturalmente inferior, porém mais enérgica.
Assim, para um futuro não muito remoto, só há duas possibilidades: ou o mundo será governado nos moldes de nossas modernas democracias e então o fiel da balança decidirá a favor das raças numericamente mais fortes, ou o mundo será - governado segundo as leis da ordem natural e vencerão então os povos de vontade brutal e, por conseqüência, não a nação que se limita a si mesma.
O que ninguém poderá duvidar é que o mundo será exposto às mais graves lutas pela existência da humanidade. No fim, vence sempre o instinto da conservação. Sob a pressão deste, desaparece o que chamamos espírito de humanidade como expressão de uma mistura de tolice, covardia e pretensa sabedoria, tal qual a nave ao sol de março. A humanidade tornou-se grande na luta eterna, na paz eterna ela perecerá.
Para nós, alemães, porém, a senha da colonização interna já é funesta, pois, entre nós, ela imediatamente reforça a opinião de termos achado um meio que, de acordo com o espírito pacifista, permite podermos numa vida de torpor, ganhar a existência. Essa doutrina, tomada a sério entre nós, significa o fim de todo o esforço no sentido de conservarmos no mundo o lugar que nos compete. Desde que o alemão médio se tenha convencido de poder garantir-se por esse meio a vida e o futuro, qualquer tentativa de uma interpretação ativa e, portanto, frutuosa, das necessidades vitais da Alemanha estaria perdida. Toda política externa verdadeiramente útil poderia ser considerada impossível comuma tal opinião da nação, e, com isso, o futuro do povo alemão estaria prejudicado.
Tendo-se em vista essas conseqüências, deve-se concordar que não é por acaso que, emprimeira linha, são sempre os judeus que procuram e sabem inocular, no espírito do povo, tão perigosas idéias, aliás mortalmente perigosas. Eles conhecem muito bem as pessoas com que têm de tratar para não saberem que essas são vitimas agradecidas de qualquer charlatão que lhes diga haver sido descoberto o meio de enganar a natureza, de modo a tornar supérflua a dura e inexorável luta pela existência, para, em seu lugar, ora comtrabalho ou mesmo sem nada fazer, conformecalha a cada um, assenhorear-se do planeta.
Não é nunca demasiado insistir em que toda colonização alemã interna tem de servir, emprimeiro plano, para evitar males sociais, sobretudo para livrar a terra da especulação geral. Entretanto nunca poderá ser suficiente para assegurar o futuro da noção sem a conquista de novos territórios.
Se agirmos de outra maneira, não só chegaremos a esgotar as nossas terras como também as nossas forças.
Finalmente, há a constatar ainda o seguinte:
A limitação, implícita, na colonização interna, a uma determinada pequena superfície de solo, bem como o efeito final que se lhe segue da restrição da reprodução, conduz o povo a uma situação político-militar extraordinariamente desfavorável.
A garantia da segurança externa de um povo depende da extensão de seu habitat. Quanto maior for o espaço de que um povo disponha, tanto maior é sua proteção natural; pois sempre foram conseguidas vitórias militares mais rápidas e, por isso mesmo, mais fáceis e especialmente mais eficientes e mais completas contra povos apertados empequenas superfícies de terra do que contra Estados de vasta extensão territorial. Na grandeza do território há, pois, sempre, uma certa proteção contra ataques repentinos, visto como o êxito só será conseguido após longas e severas lutas e, por isso, o risco de umataque temerário parecerá demasiado grande, a não ser que existam motivos excepcionais. Na vastidão territorial, em si mesma, já existe uma base para a fácil conservação da liberdade e da independência de um povo, enquanto que, ao contrário, a pequenez territorial como que desafia a conquista.
De fato, as duas primeiras possibilidades para se conseguir um equilíbrio entre a população crescente e o solo invariável emgrandeza, foram rejeitadas pelos chamados círculos nacionais do Reich. Os motivos que determinaram essa atitude eram, entretanto, outros que os indicados acima. Relativamente à limitação dos nascimentos, a atitude era de recusa, em primeiro lugar por um certo sentimento moral. A colonização interna era repelida com desapontamento, pois que se farejava, nela, um ataque contra a grande propriedade rural e o começo de uma luta geral contra a propriedade particular. Pela forma por que sobretudo essa última terapêutica era recomendada podia-se imediatamente ver a condenação dessa hipótese.
De um modo geral, a defesa em face da grande massa não era muito hábil e de modo algum atingia o âmago do problema.
Em face disso, só restavam dois caminhos- para assegurar um trabalho são à população crescente.
3° Podiam-se adquirir novos territórios, a fim de, anualmente, derivar os milhões excedentes, conservando dessa maneira a nação em condições de poder alimentar-se a si mesma, ou se passaria a:
4° Produzir, por meio da indústria e do comércio, para o consumo estrangeiro, a fim de, por esse modo, garantir a vida do povo.
Portanto, política rural, colonial ou comercial.
Ambos os caminhos foram, sob vários pontos de vista, considerados, examinados, recomendados e combatidos.
O primeiro ponto de vista sem dúvida teria sido o mais são dos dois. A aquisição do novo território para nele acomodar o excesso da população encerra vantagens infinitamente maiores, especialmente se se toma em consideração o futuro e não o presente.
Só as vantagens da conservação de uma classe de camponeses, como fundamento de toda a nação, são enormes. Muitos dos nossos males atuais não são mais que a conseqüência do desequilíbrio entre o povo dos campos e o das cidades. Uma base firme constituída de pequenos e médios camponeses foi, em todos os tempos, a melhor defesa contra as enfermidades sociais do gênero das que nos afligem hoje em dia. Essa é também a única saída que permite a um povo encontrar o pão de cada dia nos limites da sua vida econômica. A indústria e o comércio recuam de sua posição de dirigentes e se colocam no quadro geral de uma economia nacional de consumo e compensação. Ambos não são mais a base de alimentação do povo e sim um auxílio para a mesma. Dispondo eles de uma compensação entre a produção e o consumo, tornam toda a alimentação do povo mais ou menos independente do exterior. Ajudam, portanto, a assegurar a liberdade do Estado e a independência da nação, sobretudo nos dias graves.
Entretanto, uma tal política rural não poderá ser realizada, por exemplo, no Camerun e sim quase que exclusivamente na Europa. Calma e modestamente, temos de colocar-nos no ponto de vista de que certamente não deve ter sido a intenção do céu dar a um povo cinqüenta vezes mais terra do que a outro. Nesse caso, os limites políticos não devemafastar-se dos limites do direito eterno. Se é verdade que o mundo tem espaço para todos viverem, então que se nos dê também o solo necessário à nossa vida.
Isso naturalmente não será feito de boa vontade. O direito da própria conservação fará então sentir os seus efeitos; e o que é negado por meios suasórios tem de ser tomado à força.
Tivessem os nossos antepassados feito depender as suas decisões de tolices pacifistas, como se faz atualmente, e não possuiríamos mais que um terço do nosso atual território. Não é a isso que devemos as duas Marcas orientais do Reich e, com elas, a força interior da grandeza do domínio territorial de nosso Estado, o que nos tem permitido existir até hoje.
Há outra razão para que essa solução seja considerada correta:
Muitos Estados europeus de hoje são semelhantes a pirâmides que se sustêm sobre o seu vértice. As suas possessões na Europa são ridículas comparativamente com a sua pesada carga de colônias, comércio estrangeiro, etc. Poder-se-ia dizer: ponto na Europa e base emtodo o mundo. Inversa é a situação dos Estados Unidos, cuja base está sobre o seu próprio continente e cujo ápice é o seu ponto de contato com o resto do globo. Daí a grande força interna daquele Estado e a fraqueza da maioria das potências colonizadoras européias.
Mesmo a Inglaterra não é prova em contrário, pois sempre nos inclinamos a esquecer a verdadeira natureza do mundo anglo-saxão em relação ao Império britânico. Pelo fato de possuir a mesma língua e a mesma cultura que os Estados Unidos, a Inglaterra não pode ser comparada com nenhum outro Estado da Europa.
Por isso, a única esperança de realizar a Alemanha uma política territorial sadia está na aquisição de novas terras na própria Europa. As colônias são inúteis para esse fim, por parecerem impróprias para o estabelecimento de europeus em grande número. Entretanto, no século dezenove, já não era mais possível adquirir, por métodos pacíficos, tais territórios para efeitos de colonização. Uma política de colonização dessa espécie só poderia ser realizada por meio de uma luta áspera, que seria mais razoável se aplicada na obtenção de território no continente, próximo da pátria, de preferência a quaisquer regiões fora da Europa.
Uma tal decisão exige, porém, a solidariedade de toda a nação. Não é possível abordar, com meias medidas ou com hesitações, uma tarefa cuja execução só é viável pelo emprego de toda a energia nacional. A direção política do Reich teria de dedicar-se exclusivamente a esse fim; nenhum passo deveria ser dado por outras considerações que não fosse o reconhecimento dessa tarefa e das condições pare o seu êxito. Deveria ficar bem claro que esse objetivo só poderia ser atingido emluta, tendo-se tranqüilamente em mira o movimento das armas.
Todas as alianças deveriam ser examinadas exclusivamente sob esse ponto de vista e apreciadas quanto à sua utilidade nesse objetivo. Houvesse o desejo de adquirir territórios ria Europa e isso teria de dar-se de um modo geral à custa da Rússia. O novo Reich teria de novamente pôr-se em marcha na estrada dos guerreiros de outrora, a fim de, com a espada alemã, dar ao arado alemão a gleba e à nação o pão de cada dia.
Para uma tal política só havia um possível aliado na Europa: Inglaterra.
A Grã-Bretanha era a única potência que poderia proteger a nossa retaguarda, suposto que déssemos início a uma nova expansão germânica. Teríamos tanto direito de fazê-lo quanto tiveram os nossos antepassados. Nenhum dos nossos pacifistas se nega a comer o pão do Oriente, embora o primeiro arado outrora tivesse sido a espada.
Nenhum sacrifício deveria ser considerado demasiado grande nesse trabalho de conquistar as simpatias da Inglaterra. Dever-se-ia renunciar às colônias e ao poderio naval, e evitar a concorrência à indústria britânica.
Somente uma atitude absolutamente clara poderia conduzir a um tal objetivo: renúncia a uma marinha de guerra alemã, concentração de todas as forças do Estado no exército. Ê verdade que o resultado seria uma limitação temporária, entretanto abrir-se-iam os horizontes para um grande futuro.
Houve uma época em que a Inglaterra nos daria atenção nesse sentido, porque ela compreendia muito bem que, devido a sua crescente população, a Alemanha teria de procurar qualquer saída e de achá-la na Europa, com o auxílio inglês, ou, sem esse auxílio, em qualquer outra parte do mundo.
A tentativa para se obter uma aproximação com a Alemanha, feita no dobrar do século, foi devida em tudo e por tudo a esse sentimento. Mas aos alemães não agradava tirar as castanhas do fogo para a Inglaterra, - como se fosse possível uma aliança sobre outra base que não a da reciprocidade. Baseado nesse princípio, o negócio poderia muito bem ter sido feito com a Inglaterra. A diplomacia britânica era bastante hábil para saber que nada era lícito esperar sem reciprocidade.
Imaginemos que a Alemanha, com uma hábil política exterior, tivesse representado o papel que o Japão representou em 1904, e, dificilmente, poderemos prever as conseqüências que isso teria tido para o país.
Jamais teria havido a Guerra Mundial.
No ano de 1904, o sangue teria sido dez vezes menos que o que se derramou em 1914
18. Mas que posição ocuparia a Alemanha, hoje em dia, no mundo! Sobretudo a aliança com a Áustria foi uma idiotice. Essa múmia de Estado uniu-se à Alemanha não para lutar com ela na guerra mas para conservar uma eterna paz, a qual então poderia ser utilizada, de uma maneira inteligente, para a destruição lenta porém segura do germanismo na Monarquia. Essa aliança era absolutamente inviável, pois que não se poderia esperar por muito tempo uma defesa ofensiva dos interesses nacionais alemães em um Estado que não possuía nem a força nema decisão para limitar o processo de desgermanização nas suas fronteiras imediatas. Se a Alemanha não possuía consciência nacional bastante e também a impavidez para arrancar ao impossível Estado dos Habsburgos o mandato sobre o destino de dez milhões de irmãos de raça, não se poderia, então, na verdade, esperar que jamais ela recorres. se a planos de tão larga visão e tão audaciosos. A atitude do velho Reich em relação ao problema austríaco foi a pedra-de-toque de sua atitude na luta decisiva de toda a nação.
Ninguém observava como, ano a ano, o germanismo era cada vez mais oprimido e que o valor da aliança, de parte da Áustria, era determinado exclusivamente pela conservação dos elementos alemães. Mas absolutamente não se seguiu esse caminho.
Nada temiam tanto como a luta e, finalmente, na hora mais desfavorável, foramconstrangidos a ela.
Queriam fugir ao destino e foram surpreendidos por ele. Sonhavam com a conservação da paz do mundo e caíram na guerra mundial.
E esse foi o mais importante motivo porque não se deu o devido valor a essa terceira saída para a garantia do futuro alemão. Sabia-se que a conquista do novo solo só podia ser alcançada a leste. A luta necessária foi prevista, mas o que se queria a todo preço era a paz. A senha da política externa há muito que não era mais a conservação da nação alemã a todo transe, mas a conservação da paz universal, por to. dos os meios. Ainda voltarei a falar mais detalhadamente sobre esse ponto.
Assim, restava ainda a quarta possibilidade: indústria e comércio universais, poder naval e colônias.
Um tal desenvolvimento era na verdade mais fácil e mais rapidamente acessível. Opovoamento do solo é um processo mais lento e que dura, às vezes, séculos. É, porém, justamente nisso que se deve procurar a sua força intrínseca. Não se trata de um flamejar repentino, mas de um crescimento lento, mas fundamental e constante, em contraposição a um desenvolvimento industrial que pode ser improvisado no correr de poucos anos, assemelhando-se, porém, mais a uma bolha de sabão que a força solida, É verdade que mais rapidamente se constrói uma esquadra do que, em luta tenaz, se erige uma estância e coloniza-se a mesma com lavradores; entretantoaquela também mais facilmente se aniquila do que esta última. Contudo, se a Alemanha, não obstante, trilhava esse caminho, ao menos deveria reconhecer-se claramente que esse programa um dia acabaria em luta, só crianças imaginariam que se pode conseguir o desejado alimento, pela boa conduta e pela declaração de sentimentos de paz, na concorrência pacífica dos povos, como tanto e tão suntuosamente se tagarelava sobre esse assunto, como se tudo se pudesse obter sem lançar mão das armas.
Não. Se continuássemos a trilhar esse caminho, a Inglaterra um dia se tornaria nossa inimiga. Nada mais insensato do que o desapontamento que experimentamos, pelo fato de a Inglaterra tomar um dia a liberdade de enfrentar a nossa tendência pacifista com a crueldade do egoísta violento. Só a nossa reconhecida ingenuidade se poderia surpreender com esse desfecho.
Nunca deveríamos ter agido assim!
Se uma política de aquisição territorial na Europa só poderia ser feita em aliança com a Inglaterra contra a Rússia, uma política de colônias e de comércio mundial, por outro lado, só seria concebível em uma aliança com a Rússia contra a Inglaterra. Nesse caso, dever-seia chegar inexoravelmente às últimas conseqüências, pondo se a Áustria à margem.
Considerada sob todos os pontos de vista, essa aliança com a Áustria era, já no dobrar do século, uma verdadeira loucura.
Entretanto, não se pensava numa aliança com a Rússia contra a Inglaterra, nem tão pouco com a Inglaterra contra a Rússia, pois, em ambos os casos, o resultado teria sido a guerra e, para evitá-la, é que se decidiu adotar a política comercial e industrial. A conquista econômica pacifica era uma receita que de uma vez por todas estava destinada a dar umgolpe decisivo na política de violência de até então. Talvez não houvesse completa confiança nessa política, sobretudo tendo-se em vista que, de tempos a tempos, surgiam,vindas do lado da Inglaterra, ameaças inteiramente incompreensíveis. Finalmente capacitaram-se os alemães da necessidade de construir-se uma frota, não com o propósito de atacar e destruir, mas para defender a paz mundial e para a conquista pacífica do mundo. Por isso tiveram de mantê-la em escala modesta, não somente quanto ao número mas também quanto à tonelagem de cada navio e ao respectivo armamento, de modo a tornar evidente que o seu fim último era pacífico.
Conversar em conquista pacífica do mundo foi a maior loucura que já se tomou como princípio dirigente de uma política nacional, especialmente porque não se recuava em citar a Inglaterra para provar que era possível pô-la em prática. O mal feito pelos nossos professores com o seu ensinamento de história e com suas teorias dificilmente pode ser remediado e apenas prova, de modo evidente, quantas pessoas ensinam história semcompreendê-la, sem percebê-la. Exatamente na Inglaterra ter-se-ia de reconhecer uma evidente refutação à teoria. De lato, nenhuma outra nação se preparou melhor para a conquista econômica, mesmo com a espada ou mais tarde a sustentou mais inexoravelmente que a inglesa. Não é a característica dos estadistas ingleses tirarem lucro econômico da força política e imediatamente transformarem o lucro econômico em força política? Assim foi um erro completo imaginar que a Inglaterra seria demasiado covarde para derramar o seu sangue em defesa de sua política econômica. O fato de não possuíremos ingleses um exército nacional não era prova em contrário; porque não é a forma das forças militares que importa, mas antes a vontade e a determinação de força existente. A Inglaterra sempre possuiu os armamentos de que necessitava. Sempre lutou com as armas precisas para garantir o êxito da sua política. Lutou com mercenários enquanto os mercenários bastavam aos seus planos, mas lançou mão do melhor sangue de toda a nação quando tal sacrifício foi necessário para assegurar a vitória. Sempre teve a determinação de lutar e sempre foi tenaz e inexorável na sua maneira de conduzir a guerra.
Na Alemanha, entretanto, com o correr do tempo se estimulava, por meio das escolas, da imprensa e dos jornais humorísticos, a que se tivesse da vida inglesa e mais ainda do Império uma idéia própria a conduzir a inoportuna decepção; porque tudo gradualmente se contaminou com essa tolice e o resultado foi a opinião falsa sobre os ingleses, que se traduziu em amarga desforra por parte deles, Essa idéia correu tão largamente que toda a gente estava convencida de que o inglês, tal qual o imaginavam, era um homem de negócios, ao mesmo tempo ladino e incrivelmente covarde. Jamais ocorreu aos nossos dignos mestres da ciência professoral que umImpério vasto como o Império britânico não poderia ser fundado e conservado unido apenas com astúcia e métodos escusos. Os primeiros que advertiram sobre esse assunto não foram ouvidos ou tiveram de ficar emsilêncio. Recordo-me perfeitamente do espanto de meus camaradas quando nos enfrentamos com os Tommies em Flandres. Depois dos primeiros dias de luta, alvoreceu no cérebro de cada um a noção de que aqueles escoceses não correspondiam exatamente à gente que os escritores de jornais humorísticos e as notícias da imprensa entendiamdescrever-nos.
Comecei então a refletir sobre a propaganda e sobre as suas formas mais úteis.
Esse falseamento certamente tinha suas vantagens para aqueles que o propagavam. Estavam aptos a demonstrar, com exemplos, por mais incorretos que estes fossem, se era correta a idéia de uma conquista econômica do mundo. O que o inglês conseguiu nós poderíamos também conseguir, havendo para nós a vantagem especial de nossa maior probidade, a ausência daquela perfídia especificamente inglesa. Era de esperar ainda comisso ganharmos mais facilmente a simpatia de todas as pequenas nações e a confiança das grandes.
Não compreendíamos que a nossa probidade causasse aos outros um íntimo horror, desde que acreditávamos seriamente em tudo isso, enquanto o resto do mundo via nessa conduta a expressão de uma falsidade astuta, até que, com o maior espanto, a revolução proporcionou uma visão mais profunda da ilimitada tolice de nosso modo de pensar.
Pela tolice dessa conquista econômica pacífica do mundo se depreende imediatamente a tolice da tríplice aliança. Com que Estado se podia, pois, fazer aliança? Conjuntamente com a Áustria, não era possível pensar em conquistas guerreiras, mesmo na Europa. Justamente nisso é que estava, desde o primeiro momento, a fraqueza intrínseca da aliança. Um Bismarck podia tomar a liberdade de um tal expediente, mas não nenhum dos seus ignorantes sucessores, muito menos numa época em que não existiam mais as mesmas condições da aliança promovida por Bismarck. Bismarck acreditava ainda que a Áustria fosse um Estado alemão. Com a introdução do sufrágio universal, tinha esse país, entretanto, paulatinamente, adotado um sistema de governo parlamentar e antigermânico.
A aliança com a Áustria, sob o ponto de vista racial e político, foi simplesmente nociva. Tolerava-se o desenvolvimento de uma nova potência eslava na fronteira do Reich, potência essa que mais cedo ou mais tarde teria de tomar atitudes em relação à Alemanha muito diferentes da Rússia, por exemplo. Comisso a aliança de ano para ano tinha de tornar-se cada vez mais fraca, à proporção que os únicos portadores desse pensamento na monarquia perdiam influência e eramdesalojados das posições dominantes.
Já pelo dobrar do século, a aliança com a Áustria tinha entrado na mesma fase que a aliança da Áustria com a Itália.
Só havia duas possibilidades: ou prevalecia a aliança com a monarquia dos Habsburgos ou se protestava contra o combate ao germanismo na Áustria. Entretanto, quando se inicia tal movimento, o resultado final, geralmente, é a luta aberta, declarada.
O valor da tríplice aliança era, psicologicamente, de somenos importância, uma vez que a força de uma aliança declina quando se limita a manter uma situação existente. Por outro lado, uma aliança será tanto mais forte quanto mais as potências contratantes estejamconvencidas de que, com a mesma, podemobter uma vantagem tangível, definida.
Isso era compreendido em vários meios, mas infelizmente não o era pelos chamados profissionais. Ludendorff, então coronel no grande estado-maior, apontava essa fraqueza um memorando escrito em 1912. Naturalmente os estadistas se' recusaram a dar qualquer importância ao assunto, pois a razão, que está ao alcance de qualquer mortal, escapa aos diplomatas.
Para a Alemanha foi uma felicidade que a guerra de 1914, embora indiretamente, irrompesse por intermédio da Áustria, obrigando os Habsburgos a nela tomarem parte. Tivesse acontecido o contrário e a Alemanha teria ficado sozinha. Nunca o Estado dos Habsburgos teria podido ou mesmo teria querido tomar parte em uma guerra que se originasse de parte da Alemanha. Aquilo que, em relação à Itália, tanto se condenou, ter-seia dado mais cedo na Áustria: ela teria ficado neutra para assim ao menos salvar o Estado contra uma revolução. O eslavismo austríaco, no ano de 1914, teria preferido destruir a monarquia a consentir no auxilio à Alemanha.
Poucas pessoas naquela ocasião podiamcompreender como eram grandes os perigos e dificuldades oriundas das alianças com a monarquia do Danúbio. Em primeiro lugar, a Áustria possuía inimigos demais, que cogitavam de herdar de um Estado carcomido. Não era possível que, no correr do tempo, não surgisse um certo ódio contra a Alemanha, na qual se enxergava a causa do impedimento à queda da monarquia, por todos esperada e desejada. Chegou-se à convicção de que, no final de contas, só se poderia alcançar Viena via Berlim.
A ligação com a Áustria privava a Alemanha das melhores e mais promissoras alianças. Em lugar dessas alianças, surgiu uma situação tensa com a Rússia' e mesmo com a Itália. Em Roma o sentimento geral era tão simpático à Alemanha como antipático à Áustria.
Como os alemães se tinham lançado na política do comércio e da indústria, não havia mais o menor motivo para uma luta contra a Rússia. Somente os inimigos de ambas as nações é que poderiam ter nisso um vivo interesses. De fato, eram em primeira linha judeus e marxistas que, por todos os meios, incitavam a guerra entre os dois Estados.
Essa aliança, em terceiro lugar, tinha em si um grande perigo, pois que com facilidade uma das potências inimigas do império de Bismarck em qualquer tempo poderia mobilizar vários Estados contra a Alemanha, uma vez que estavam em condições de, à custa do aliado austríaco, acenar com as perspectivas de grandes vantagens.
Todo o oriente da Europa poderia levantar-se contra a monarquia do Danúbio, sobretudo a Rússia e a Itália. Nunca se teria realizado a coligação mundial, que se vinha desenvolvendo desde a ação inicial do rei Eduardo, se a Áustria, como aliada da Alemanha, não tivesse oferecido vantagens tão apetecidas pelos inimigos. Só assim foi possível reunir, numa única frente de ataques, países de desejos e objetivos tão heterogêneos. Cada um deles poderia esperar, numa ação conjunta contra a Alemanha, conseguir enriquecer-se. Esse perigo aumentou extraordinariamente pelo fato de parecer que a essa aliança infeliz também estava filiada a Turquia como sócio comanditário.
O mundo financeiro internacional judaico necessitava, porém, desse chamariz, a fim de poder realizar o plano, há muito desejado, da destruição da Alemanha que ainda não se tinha submetido ao controle financeiro e econômico geral, à margem do Estado. Só assimse podia forjar uma coalizão tornada forte e corajosa pelo simples número dos exércitos de milhões em marcha, pronta, finalmente, a avançar contra o lendário Siegfried.
A aliança com a monarquia dos Habsburgos que, já nos tempos em que eu estava na Áustria, tanto me irritava, começou a tornar-se a causa de longas provações intimas que, no correr do tempo, ainda mais reforçavam a minha primeira opinião.
No meio modesto, que eu então freqüentava, nenhum esforço fiz para esconder a minha convicção de que aquele infeliz tratado comum Estado condenado à destruição teria de levar a Alemanha a um colapso catastrófico, a não ser que ela conseguisse desvencilhar-se do mesmo, ainda em tempo. Nunca vacilei, por um momento; mantive-me, nessa convicção, firme como uma rocha, até que, por fim, a torrente da guerra mundial tornouimpossível uma reflexão razoável, e o ímpeto do entusiasmo tudo levou de vencida e o dever de todos passou a ser a consideração das realidades, Mesmo quando me achava na frente de batalha, sempre que o problema era discutido, eu exprimia a minha opinião de que quanto mais depressa fosse rompida a aliança tanto melhor para a nação alemã e que sacrificar a monarquia dos Habsburgos não seria sacrifício para a Alemanha, se com isso ela pudesse reduzir o número de seus inimigos, desde que os milhões de capacetes de aço não se tinham reunido para manter uma decrépita dinastia, mas para salvar a nação alemã.
Antes da guerra, parecia, às vezes, que num campo ao menos havia uma leve dúvida quanto à correção da política de aliança que vinha sendo seguida. De tempos a tempos, os círculos conservadores na Alemanha começavam a fazer advertências contra a excessiva confiança nessa política, mas, como tudo mais que era razoável, fazer essas advertências era como falar no deserto. Havia a convicção geral de que a Alemanha estava a caminho de conquistar o mundo, que o êxito seria ilimitado e que nada teria de ser sacrificado.
Mais uma vez, ao não profissional nada era permitido fazer senão olhar silenciosamente, enquanto os profissionais marchavam diretamente para a destruição, arrastando consigo .a nação inocente, como o caçador de ratos de Hamein.
A causa mais profunda do fato de ter sido possível apresentar a um povo inteiro, como processo político prático, a insensatez de uma conquista econômica, tendo como objetivo a conservação da paz universal, residia numa enfermidade de todos os nossos pensamentos políticos.
A vitoriosa marcha da técnica e da indústria alemãs, os crescentes triunfos do comércio alemão, fizeram que se esquecesse de que tudo isso só era possível dada a suposição da existência de um Estado forte. Muitos, ao contrário, chegavam até a proclamar a sua convicção de que o Estado devia a sua vida a esses progressos, desde que o Estado, primeiro que tudo e mais que tudo, é uma instituição econômica e deveria ser dirigido de acordo com as regras da economia, devendo, por isso, a sua existência ao comércio - condição que era considerada ser a mais sã e mais natural de todas. Entretanto, o Estado nada tem a ver com qualquer definida concepção ou desenvolvimento econômico.
O Estado não é uma assembléia de negociantes que durante uma geração se reuna dentro de limites definidos para executar projetos econômicos, mas a organização da comunidade, homogênea por natureza e sentimento, unida para a promoção e conservação da sua raça e para a realização do destino que lhe traçou a Providência. Esse e nenhum outro é o objeto e a significação de um Estado. A economia é tão somente um dos muitos meios necessários à realização desse objetivo. Nunca, porém, é o objetivo de um Estado, a não ser que este, desde o princípio, repouse em uma base falsa, por antinatural. Só assim é que se explica que o Estado, como tal, não necessite ter, como condição, uma limitação territorial. Isso só será necessário entre povos sue, por si mesmos, querem assegurar a alimentação de seus irmãos em raça e que, portanto, estão prontos a lutar com o seu próprio trabalho, em prol de sua existência. Os povos que, como zangões, conseguem infiltrar-se no resto da humanidade, a fim de, sob todos os pretextos, fazer com que os outros trabalhem para si, podem, mesmo sem possuírem um habitat determinado e limitado, formar um Estado. Isso se dá em primeira linha num povo sob cujo parasitismo, sobretudo hoje, toda a humanidade sofre: o povo judeu.
O Estado judaico nunca teve fronteiras, nunca teve limites no espaço, mas era unido pela raça. Por isso, aquele povo sempre foi um Estado dentro do Estado. Foi um dos mais hábeis ardis já inventados o de encobrir-se aquele Estado sob a capa de religião, obtendo-se assima tolerância que o ariano sempre estendeu a todos os credos. A religião mosaica nada mais é que uma doutrina para a conservação da raça judaica. Por isso ela abraça quase todos os ramos do conhecimento sociológico, político e econômico que lhe possam dizer respeito.
O instinto de conservação da espécie é sempre a causa da formação das sociedades humanas. Por isso, o Estado é um organismo racial e não uma organização econômica, diferença essa que, sobretudo hoje em dia, passa despercebida aos chamados estadistas. Daí pensarem estes poder construir o Estado pela economia quando, na realidade, aquele nada mais é que o resultado da atuação daquelas virtudes que residem no instinto de conservação da raça e da espécie. Estas são, porém, sempre virtudes heróicas e nunca egoísmo mercantil, pois que a conservação da existência de uma espécie pressupõe o sacrifício voluntário de cada um. Nisso é que está justamente o sentido da palavra do poeta: e se não arriscardes a vida, nunca vencereis na vida, isto é, a capacidade de sacrifício de cada um é indispensável para assegurar a conservação da espécie. A condição mais essencial, porém, para a formação e conservação de um Estado é a existência de umsentimento de solidariedade, baseado na identidade de raça, bemcomo a boa vontade de por ele sacrificar-se. Isso, em povos senhores de seu próprio solo, conduz à formação de virtudes heróicas, em povos parasitas conduz à hipocrisia mentirosa e à crueldade dissimulada, qualidades essas que devem ser pressupostas pela maneira diferente comovivem em relação ao Estado. A formação de um Estado só será possível pela aplicação dessas virtudes, pelo menos originariamente, sendo que na luta pela conservação serão submetidos ao jugo e assim mais cedo ou mais tarde sucumbirão os povos que apresentarem menos virtudes heróicas ou que não estejam na altura da astúcia do parasita inimigo. Mas, também nesse caso, isso deve ser atribuído não tanto à falta de inteligência como à falta de decisão e de coragem, que procura esconder-se sob o manto de sentimento de humanidade.
O fato de a força interna de um Estado só em casos raros coincidir com o chamado progresso econômico mostra claramente como está pouco ligado às virtudes que servem para a formação e conservação do Estado essa prosperidade que, em infinitos exemplos, parece até indicar a próxima decadência do Estado. Se, porém, a formação da comunidade humana tivesse de ser atribuída em primeira linha a forças econômicas, então o mais elevado desenvolvimento econômico significaria a mais formidável força do Estado e não inversamente.
A crença na força da economia para formar e conservar um Estado, torna-se incompreensível, sobretudo quando se trata de um país que, em tudo e por tudo, mostra clara e incisivamente o contrário.- Justamente a Rússia demonstra, de maneira evidentíssima, que não são as condições materiais, mas as virtudes ideais, que tornampossível a formação de um Estado. Somente sob a sua guarda é que a economia consegue florescer, até que, com a decadência das puras forças geradoras do Estado, a economia também decai, processo esse que exatamente agora podemos observar com desesperada tristeza. Os interesses materiais dos homens sempre conseguem prosperar melhor enquanto permanecem à sombra de virtudes heróicas.
Sempre que aumentava o poder político da Alemanha o progresso material se fazia sentir, os negócios começavam a melhorar; ao passo que quando os negócios monopolizavam a vida de nosso povo e enfraqueciam as virtudes de nosso espírito, o Estado desfalecia, arrastando, na sua ruína, os próprios negócios.
E se perguntarmos a nós mesmos quais são as forças que fazem e conservam os Estados, vemos que elas aparecem sob uma única denominação: habilidade e abnegação para o sacrifício individual, por amor da comunidade. Que essas virtudes não têm relação com a economia torna-se óbvio pela compreensão de que o homem nunca se sacrifica por negócios, isto é, os homens não morrem por negócios, mas por ideais. Nada mostrou melhor a superioridade psicológica dos ingleses, na dedicação por um ideal nacional, do que as razões que eles apresentaram para combater. Enquanto nós lutávamos pelo pão quotidiano, a Inglaterra lutava pela liberdade, não pela própria mas pela das pequenas nações. Na Alemanha todos zombavam ou se irritavam com essa impudência, o que prova quanto se tornara insensata e estúpida a ciência oficial na Alemanha de antes da guerra. Não tínhamos a menor noção da natureza das forças que podem levar os homens à morte por sua livre e espontânea vontade.
Enquanto o povo alemão continuava a pensar, em 1914, que lutava por ideais, ele manteve-se firme; mas logo que se tornou evidente que lutava apenas pelo pão quotidiano, preferiu renunciar ao brinquedo.
Os nosso inteligentes estadistas, entretanto, ficaram atônitos com essa mudança de sentimento. eles nunca compreenderam que o homem, desde o momento que luta por uminteresse econômico, evita o mais que pode a morte, pois que esta o faria perder o gozo do prêmio de sua luta. A preocupação pela salvação de seu filho faz que a mais fraca das mães se torne heroína e somente a luta pela conservação da espécie e da lareira e também do Estado fez, em todos os tempos, com que os homens se jogassem de encontro às lanças dos inimigos.
Pode-se considerar a seguinte frase como uma sentença eternamente verdadeira:
Jamais um Estado foi fundado pela economia pacífica e sim, sempre, pelo instinto de conservação da espécie, esteja este situado no campo da virtude heróica ou da astúcia. O primeiro produz os Estados arianos, de trabalho e cultura, o segundo, colônias judaicas parasitárias. Desde que um povo ou um Estado procura dominar esses instintos, estão atraindo para si a escravidão, a opressão.
A crença de antes da guerra de que era possível ter o mundo aberto para a nação alemã ou de fato conquistá-lo pelo método pacífico de uma política de comércio e colonização, era um sinal evidente de que haviam desaparecido as genuínas virtudes que fazem e conservam os Estados. bem como a intuição, a força de vontade e a determinação que fazem as grandes coisas. Como era de esperar, o resultado imediato disso foi a grandeguerra, com todas as suas conseqüências
Para aquele que não examinasse a questão, essa atitude de quase toda a nação alemã era um enigma indecifrável, pois a Alemanha era justamente um exemplo maravilhoso de umimpério que surgiu de uma política de força. A Prússia - célula mater do Reich - proveio de grandes heroísmos e não de operações financeiras ou negócios comerciais. E o próprio Reich era o mais maravilhoso prêmio da direção da política de força e da coragem indômita dos seus soldados. Como poderia, justamente o povo alemão, chegar a tal amortecimento de seus instintos políticos? Não se tratava, é preciso que se note, de um fenômeno isolado e sim de sintomas de decadência geral que, emproporções verdadeiramente assustadoras, ora flamejavam como fogos-fátuos no seio do povo ora corroíam a nação como tumores malignos. Parecia que uma torrente de veneno constante era impelida por uma força misteriosa até os últimos vasos sangüíneos desse corpo de heróis, com o fim de aniquilar o seu bom senso, o simples instinto de conservação.
Examinando todas essas questões, condicionadas ao meu ponto de vista em relação à política de alianças da Alemanha e à política econômica do Reich, nos anos de 1912 e 1914, restou, como solução do enigma aquela força que já anteriormente eu conhecera emViena sob prisma inteiramente diverso: a doutrina marxista, sua concepção do mundo e a influência de sua capacidade de organização.
Pela segunda vez na minha vida analisei profundamente essa doutrina de destruição - desta vez porém não mais guiado pelas impressões e efeitos do meu ambiente diário, e simdirigido pela observação dos acontecimentos gerais da vida política. Aprofundei-menovamente na literatura teórica desse novo mundo, procurei compreender os seus efeitos possíveis, comparei estes com os fenômenos reais e com os acontecimentos no que diz respeito à sua atuação na vida política, cultural e econômica.
Comecei a considerar, pela primeira vez, que tentativa deveria ser feita para dominar aquela pestilência mundial.
Estudei os móveis, as lutas e os sucessos da legislação especial de Bismarck. Gradualmente o meu estudo me forneceu princípios graníticos para as minhas próprias convicções - tanto que desde então nunca pensei em mudar minhas opiniões pessoais sobre
o caso. Fiz também um profundo estudo das ligações do marxismo com o judaísmo.
Se, outrora, em Viena, a Alemanha metinha dado a impressão de um colosso inabalável, começaram agora entretanto a surgir em mim considerações apreensivas. No meu íntimo eu estava descontente com a política externa da Alemanha, o que revelava ao pequeno circulo que meus conhecidos, bem como com a maneira extremamente leviana, como me parecia, de tratar-se o problema mais importante que havia na Alemanha daquela época - o marxismo. Realmente, eu não podia compreender como se vacilava cegamente ante um perigo cujos efeitos - tendo-se em vista a intenção do marxismo tinham de ser um dia terríveis. Já naquela época eu chamava a atenção, no meio em que vivia, para a frase tranqüilizadora de todos os poltrões de então: A nós nada nos pode acontecer. Esse pestilento modo de pensar já outrora destruíra um império gigantesco. Por acaso só a Alemanha não estaria sujeita às mesmas leis de tidas as outras comunidades humanas?
Nos anos de 1913 e 1914 manifestei a opinião, em vários círculos, que, em parte, hoje estão filiados ao movimento nacional-socialista, de que o problema futuro da nação alemã devia ser o aniquilamento do marxismo.
Na funesta política de alianças da Alemanha eu via apenas o fruto da ação destruidora dessa doutrina. O pior era que esse veneno destruía quase insensivelmente os fundamentos de uma sadia concepção do Estada e da economia, sem que os por ele atingidos se apercebessem de que a sua maneira de agir, as manifestações da sua vontade já eram uma conseqüência destruidora do marxismo.
A decadência do povo alemão tinha começado há muito tempo, sem que os indivíduos, como acontece freqüentemente, pudessem claramente ver os responsáveis pela mesma. Muitas vezes se tentou procurar um remédio para essa enfermidade, mas confundiam-se os sintomas com a causa. Como ninguém conhecia ou queria conhecer a verdadeira causa do mal-estar da nação, a luta contra o marxismo não passou de um charlatanismo sem eficiência.



Conteúdo completo disponível em:






       





Conteúdo completo disponível em:






Links:


Honoré de Balzac PDF

Machado de Assis PDF

Billboard Hot 100 - Letras de Músicas | Song Lyrics - Songtext

Bad And Boujee - Migos Featuring Lil Uzi Vert

Educação Infantil - Vídeos, Jogos e Atividades Educativas para crianças de 4 à 11 anos

Biomas Brasileiros

Prédios mais altos do Mundo e do Brasil

Norte Catarinense (Mesorregião)

Norte Central (Mesorregião)

A população atual do estado de Mato Grosso do Sul

Rio de Janeiro - Representação e Localização

Dom Casmurro - Machado de Assis

Quincas Borba - Machado de Assis

Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis

O Diário de Anne Frank

Salmos 01 - Bíblia

TOP 10: Poesia - Poemas em Português, Espanhol, francês e inglês


Velhas Árvores - Olavo Bilac

Marabá - Gonçalves Dias

Fim - Mário de Sá-Carneiro

Sonnet 18 - William Shakespeare

Vos Que, Dolhos Suaves e Serenos

Bandido negro - Os Escravos - Castro Alves

As cismas do destino - Augusto dos Anjos - Eu e Outras Poesia

TOP 20: PDF para Download - Domínio Público


Livros em PDF para Download

O Mito de Sísifo - Albert Camus

Anne Frank PDF

anne frank pdf

biblia pdf

Mein Kampf - Adolf Hitler - Download PDF Livro Online

Abel e Helena- Artur Azevedo

Outras Poesias - Augusto dos Anjos

Amor De Perdição - Camilo Castelo Branco

Hell or The Inferno from The divine comedy - Dante Alighieri

A Ilustre Casa de Ramires - Eça de Queiros - PDF

Canudos e outros temas - Euclides da Cunha - PDF

Eeldrop and Appleplex - T. S. Eliot - Thomas Stearns Eliot

Marília De Dirceu - Tomás Antônio Gonzaga - PDF Download Livro Online

O Corcunda de Notre-Dame - Victor Hugo - PDF Download Livro Online

Eneida - Virgilio

O Quarto de Jacob - Virginia Woolf - PDF

A Tempestade - William-Shakespeare - Livros em PDF para Download

Bíblia Sagrada - João Ferreira de Almeida - Bíblia

Bíblia Sagrada - Católica

TOP 30: Billboard - Letras de Músicas - Song Lyrics - Songtext


Losin Control - Russ

Redbone - Childish Gambino

Make Love - Gucci Mane & Nicki Minaj

How Far I'll Go - Auli'i Cravalho

Comin Out Strong - Future Featuring The Weeknd

Selfish - Future Featuring Rihanna

Slide - Calvin Harris Featuring Frank Ocean & Migos

Stay - Zedd & Alessia Cara

Yeah Boy - Kelsea Ballerini

Zoom - Future

El Amante - Nicky Jam

No Favors - Big Sean Featuring Eminem

Cash Me Outside (#CashMeOutside) - DJ Suede The Remix God

Black - Dierks Bentley

How Far I'll Go - Alessia Cara

Dancing On My Own - Calum Scott

In Case You Didn't Know - Brett Young

Super Trapper - Future

Not Nice - PARTYNEXTDOOR

Road Less Traveled - Lauren Alaina

The Fighter - Keith Urban Featuring Carrie Underwood

Guys My Age - Hey Violet

Hurricane - Luke Combs

The Weekend - Brantley Gilbert

Everyday - Ariana Grande Featuring Future

Reminder - The Weeknd

Fast - Luke Bryan

Any Ol' Barstool - Jason Aldean

Call On Me - Starley

Look At Me! - XXXTENTACION

Rolex - Ayo & Teo

Ayo & Teo - Wikipedia

Believer - Imagine Dragons

Moves - Big Sean

Sober Saturday Night - Chris Young Featuring Vince Gill

Shining - DJ Khaled Featuring Beyonce & JAY Z

Something Just Like This - The Chainsmokers & Coldplay

Just Go #JustGo - Viagem Volta ao Mundo


Just Go #JustGo - Viagem Volta ao Mundo - Sanderlei Silveira

Fernando de Noronha - Pernambuco PE - Brasil

Guarda do Embaú - Parque Estadual da Serra do Tabuleiro - Palhoça - Santa Catarina - Brasil

Audiobook, Educação Infantil, Ensino Fundamental


Atividades Educativas Ensino Fundamental - Aprendendo sobre o Dinheiro

Os Sertões - Euclides da Cunha

Pride and Prejudice - Jane Austen

TOP 10: BLOG by Sanderlei Silveira


Bad And Boujee - Migos Featuring Lil Uzi Vert

Urry - C. J. Dennis

As festas populares no estado de Santa Catarina - SC

As festas populares no estado de São Paulo - SP

As festas populares no estado do Paraná - PR

As festas populares do estado de Mato Grosso do Sul - MS

Os símbolos do estado do Rio de Janeiro - RJ

Prédios mais altos do Mundo e do Brasil (Atualizado até 01/2017)

Idade das Religiões - História

Ursa Maior

A Carolina

Os Sertões - Euclides da Cunha - Áudio Livro


Lista de BLOGs by Sanderlei Silveira



Artur de Azevedo - Contos

Audio Livro - Sanderlei

AudioBook - Sanderlei

Augusto dos Anjos - Eu e Outras Poesias

Billboard Hot 100 - Letras de Músicas - Sanderlei

Contos de Eça de Queirós

Curso de Espanhol Online - Gratis e Completo

Curso de Inglês Online - Gratis e Completo

Diva - José de Alencar - Audiobook

Economia em 1 Minuto - Sanderlei

Educação Infantil - Nível 1 (crianças entre 4 a 6 anos)

Educação Infantil - Nível 2 (crianças entre 5 a 7 anos)

Educação Infantil - Nível 3 (crianças entre 6 a 8 anos)

Educação Infantil - Nível 4 (crianças entre 7 a 9 anos)

Educação Infantil - Nível 5 (crianças entre 8 a 10 anos)

Educação Infantil - Nível 6 (crianças entre 9 a 11 anos)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Áudio Livro)

Historia en 1 Minuto

History in 1 Minute

História em 1 Minuto

João da Cruz e Sousa - Broquéis

Lima Barreto - Contos (Áudio Livro - Audiobook)

Livros em PDF para Download (Domínio Público) - Sanderlei

Língua Portuguesa, Arte e Literatura

Machado de Assis

A Mão e a Luva - Machado de Assis

Crônica - Machado de Assis

Dom Casmurro - Machado de Assis

Esaú e Jacó - Machado de Assis

Helena - Machado de Assis

Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis

Papéis Avulsos - Machado de Assis

Poesia - Machado de Assis

Quincas Borba - Machado de Assis

Teatro - Machado de Assis

Macunaíma - Mário de Andrade

Mato Grosso do Sul - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Mein Kampf (Minha luta) - Adolf Hitler

O Diário de Anne Frank

Os Escravos - Castro Alves

Paraná - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Poesia - Sanderlei Silveira

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR)

Poetry in English - Sanderlei Silveira

Rio de Janeiro - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Salmos - Bíblia Online

Santa Catarina - Conheça seu Estado (História e Geografia)

SAP - Course Free Online

Sonetos - Poemas de Amor - Luís Vaz de Camões

São Paulo - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Totvs - Datasul - Treinamento Online (Gratuito)

HISTÓRIA EM 1 MINUTO

BÍBLIA ONLINE – SANDERLEI

DOM CASMURRO – MACHADO DE ASSIS

HISTORIA EN 1 MINUTO – SANDERLEI

HISTORY IN 1 MINUTE – SANDERLEI

O Diário de Anne Frank

Just Go #JustGo - Viagem Volta ao Mundo - Sanderlei Silveira