segunda-feira, 1 de agosto de 2016

PRIMEIRA PARTE CAPÍTULO I - NA CASA PATERNA




Posfácio


APRESENTAÇÃO

Nélson Jahr Garcia

Minha Luta (Mein Kampf) foi a melhor obra já escrita contra o nazismo. Já se escreveram livros, artigos, crônicas; fizeram-se filmes, peças de teatro. Por mais que demonstrassem o totalitarismo, a crueldade e a desfaçatez daquele regime, nada conseguiu superar o original.
A comunidade judaica, pelo menos alguns de seus setores, batalham por proibir a divulgação do livro. Não entendo. Quanto mais se conhecer, maior se tornará o repúdio e aversão.
É certo que os filhos de Israel foram perseguidos, mas não só. Também o foram os negros, os eslavos, membros das Resistências, maçons, todos originários de qualquer raça que não fossem considerados arianos. Em suma, perseguiu-se tantos quanto se opuseramaos planos megalomaníacos do pequeno austríaco que resolveu tornar-se rei do universo.
Certa vez perguntei a um ex-capitão do exército mecanizado nazista: Como foi possível que um dos povos mais cultos da Europa apoiasse um projeto neurótico e genocida como o dos nazis? Respondeu-me, com certa simplicidade: Perdêramos a I Grande Guerra, engenheiros, médicos e tantos reviravam latas de lixo para encontrar comida, os judeus, comerciantes em sua maioria, expunham suas mercadorias sugerindo serem beneficiados pela situação, era solo fértil para as pregações anti-semitas.
Quanto ao anti-semitismo, além da postura racista inquestionável e confessa, havia uma estratégia de propaganda. Hitler entendia que qualquer movimento precisava de inimigos para fortalecer-se. Subestimando a capacidade intelectual do povo, afirmava explicitamente, que as massas tinham dificuldades de entendimento e compreensão. Daí a necessidade de reduzir os vários adversários a um inimigo único: os judeus. As críticas da imprensa eram escritas por judeus, que tambémdominavam a literatura, as artes e o teatro.
França e Inglaterra estavam controladas pelo capitalismo judaico. Os judeus levavam imigrantes negros para contaminar as raças européias. Os marxistas e revolucionários russos eram judeus. A maçonaria era controlada por judeus. Uma generalização absurda que, infelizmente, funcionou.
Penso que Minha Luta deva ser amplamente conhecido, um texto preconceituoso, presunçoso e que traz embutidos neuroses e psicoses indiscutíveis, conhecê-lo talvez seja a melhor forma de impedir que aquelas idéias ressuscitem. Além disso sou contra qualquer forma de censura. Os romanos incendiaram a Biblioteca da Babilônia, Hitler e Stalinqueimaram livros, Getúlio Vargas também, os militares de nossa recente ditadura inclusive, e outros tantos, a humanidade só perdeu.
Por isso tudo divulgo o livro, uma peça de propaganda bastante eficiente, mas apenas no seu tempo e contexto. Devemos ler, analisar, discutir e produzir vacinas. Como os vírus, as idéias absurdas tendem a retornar fortalecidas e resistentes; só conhecendo poderemos enfrentá-las.

PREFÁCIO


No dia 1.° de abril de 1924, por força de sentença do Tribunal de Munique, tinha eu entrado no presídio militar de Landsberg sobre o Lech.
Assim se me oferecia, pela primeira vez, depois de anos de ininterrupto trabalho, a possibilidade de dedicar-me a uma obra, por muitos solicitada e por mim mesmo julgada conveniente ao movimento nacional socialista.
Decidi-me, pois, a esclarecer, em dois volumes, a finalidade do nosso movimento e, ao mesmo tempo, esboçar um quadro do seu desenvolvimento.
Nesse trabalho aprender-se-á mais do que em uma dissertação puramente doutrinária.
Apresentava-se-me também a oportunidade de dar uma descrição de minha vida, no que fosse necessário à compreensão do primeiro e do segundo volumes e no que pudesse servir para destruir o retrato lendário da minha pessoa feito pela imprensa semítica.
Com esse livro eu não me dirijo aos estranhos mas aos adeptos do movimento que ao mesmo aderiram de coração e que aspiram esclarecimentos mais substanciais.
Sei muito bem que se conquistam adeptos menos pela palavra escrita do que pela palavra falada e que, neste mundo, as grandes causas devem seu desenvolvimento não aos grandes escritores mas aos grandes oradores.
Isso não obstante, os princípios de uma doutrinação devem ser estabelecidos para sempre por necessidade de sua defesa regular e contínua.
Que estes dois volumes valham como blocos com que contribuo à construção da obra coletiva. O AUTORLandsberg sobre o Lech Presídio Militar

DEDICATÓRIA

No dia 9 de novembro de 1923, na firme crença da ressurreição do seu povo, às 12 horas e 30 minutos da tarde, tombaram diante do quartel general assim como no pátio do antigo Ministério da Guerra de Munique os seguintes cidadãos:
Alfarth (Felix). Negociante, nascido a 5 de julho de 1901.
Bauriedl (Andreas). Chapeleiro, nascido a 4 de maio de 1879.
Casella (Theodor). Bancário, nascido a 8 de agosto de 1900.
Ehrlich (Wilhelm). Bancário, nascido a 19 de agosto de 1894.
Faust (Martin). Bancário, nascido a 27 de janeiro de 1901.
Hechenberger (Ant.). Serralheiro, nascido a 28 de setembro de 1902.
Kõrner (Oskar). Negociante, nascido a 4 de janeiro de 1875.
Kuhn (Karl). Garção.Cehfe, nascido a 26 de julho de 1897.
Laforce (Karl). Estudante de engenharia, nascido a 28 de outubro de 1904.
Neubauer (Kurt). Doméstico, nascido a 27 de março de 1899.
Pope (Claus von). Negociante, nascido a 16 de agôsto de 1904.
Pforden (Theodor von der). Membro do Supremo Tribunal, nascido a 14 de maio de 1873.
Rickmers (Joh.). Capitão de Cavalaria, nascido a 7 de maio de 1881.
Scheubner-Richter (Max Erwin von). Engenheiro, nascido a 9 de janeiro de 1884.
Stransky (Lorenz Ritter von). Engenheiro, nascido a 14 de março de 1899.
Wolf (Wilhelm). Negociante, nascido a 19 de outubro de 1898.
As chamadas autoridades nacionais recusaram aos heróis mortos um túmulo comum.
Por isso eu lhes dedico, para a lembrança de todos, o primeiro volume desta obra, a fimde que esses mártires iluminem para sempre os adeptos do nosso movimento.
Landsberg sobre o Lech, Presídio Militar, 16 de outubro de 1924. Adolf Hitler

PRIMEIRA PARTE


CAPÍTULO I - NA CASA PATERNA


Considero hoje como uma feliz determinação da sorte que Braunau no Inn tenha sido destinada para lugar do meu nascimento. Essa cidadezinha está situada nos limites dos dois países alemães cuja volta à unidade antiga é vista, pelo menos por nós jovens, como uma questão de vida e de morte.
A Áustria alemã deve voltar a fazer parte da grande Pátria germânica, aliás sem se atender a motivos de ordem econômica. Mesmo que essa união fosse, sob o ponto de vista econômico, inócua ou até prejudicial, ela deveria realizar-se. Povos em cujas veias corre o mesmo sangue devem pertencer ao mesmo Estado. Ao povo alemão não assistem razões morais para uma política ativa de colonização, enquanto não conseguir reunir os seus próprios filhos em uma pátria única. Somente quando as fronteiras do Estado tiveremabarcado todos os alemães sem que se lhes possa oferecer a segurança da alimentação, só então surgirá, da necessidade do próprio povo, o direito, justificado pela moral, da conquista de terra estrangeira. O arado, nesse momento será a espada, e, regado com as lágrimas da guerra, o pão de cada dia será assegurado à posteridade.
Por isso, essa cidadezinha da fronteira aparece aos meus olhos como o símbolo de uma grande missão. Sob certo aspecto, ela se apresenta como uma exortação nos tempos que correm. Há mais de cem anos, esse modesto ninho, cenário de uma tragédia cuja significação todo o povo alemão compreende, conquistou, pelo menos, na história alemã, o direito à imortalidade. No tempo da maior humilhação infligida à nossa Pátria, tombou ali, por amor à sua idolatrada Alemanha, Johannes Palm, de Nuremberg, livreiro burguês, obstinado nacionalista e inimigo dos franceses. Tenazmente recusara-se, como Leo Schlagter, a denunciar os seus cúmplices, ou melhor os cabeças do movimento. Como este, ele foi denunciado à França, por um representante do governo. Um chefe de polícia de Ausburgo conquistou para si essa triste glória e serviu assim de modelo às autoridades alemãs no governo de Severing.
Nessa cidadezinha do Inn, imortalizada pelo martírio de grandes alemães, bávara pelo sangue, austríaca quanto ao governo, moravam meus pais no fim do ano 80 do século passado, meu pai como funcionário público, fiel cumpridor dos seus deveres, minha mãe toda absorvida nos afazeres domésticos e, sobretudo, sempre dedicada aos cuidados da família. Na minha memória, pouco ficou desse tempo, pois, dentro de alguns anos, meu pai teve que deixar a querida cidadezinha e ir ocupar novo lugar em Passau, na própria Alemanha.
A sorte de empregado aduaneiro austríaco se traduzia, naquele tempo, por uma constante peregrinação. Pouco tempo depois, meu pai foi para Linz, para onde finalmente se dirigiu também depois de aposentado. Essa aposentadoria não devia, porém, significar um verdadeiro descanso para o velho funcionário. Filho de um pobre lavrador, já noutros tempos ele não tolerava a vida inativa em casa. Ainda não contava treze anos e já o jovemde então fazia os seus preparativos e deixava a casa paterna no Waldviertel. Apesar dosconselhos em contrário dos experientes moradores da aldeia, o jovem dirigiu-se para Viena, como objetivo de aprender um ofício manual. Isso aconteceu entre 1850 e 1860. Arrojada resolução essa de afrontar o desconhecido com três florins para as despesas de viagem. Aos dezessete anos, tinha ele feito as provas de aprendiz. Não estava, porém, contente. Muito ao contrário. A longa duração das necessidades de outrora, a miséria e o sofrimento constantes fortaleceram a resolução de abandonar de novo o ofício, para vir a ser alguma coisa mais elevada. Naquele tempo, aos olhos do pobre jovem, a posição de pároco de aldeia parecia a mais elevada a que se podia aspirar; agora, porém, na esfera mais vasta da grande capital, a sua ambição maior era entrar para o funcionalismo. Com a tenacidade de quem, na meninice, já era umvelho, por eleito da penúria e das aflições, o jovem de dezessete anos insistiu na sua resolução e tornou-se funcionário público. Depois dos Vinte e três anos, creio eu, estava atingido o seu objetivo. Parecia assim estar cumprida a promessa que o pobre rapaz havia feito, isto é, de não voltar para a aldeia paterna sem que tivesse melhorado a sua situação.
Agora estava atingido o seu ideal. Na aldeia, porém ninguém mais dele se lembrava e a ele mesmo a aldeia se tornara desconhecida.
Quando, aos cinqüenta e seis anos, ele se aposentou, não pôde suportar esse descanso na ociosidade. Comprou, então, uma propriedade na vila de Lambach, na alta Áustria, valorizou-a e voltou assim, depois de uma vida longa e trabalhosa, à mesma origem dos seus pais.
Nesse tempo, formavam-se no meu espírito os primeiros ideais. As correrias ao ar livre, a longa caminhada para a escola, as relações com rapazes extremamente robustos - o que muitas vezes causava a minha mãe os maiores cuidados - esses hábitos me poderiam preparar para tudo menos para uma vida sedentária. Embora, mal pensasse ainda seriamente sobre a minha futura vocação, de nenhum modo as minhas simpatias se dirigiam para a linha de vida seguida por meu pai. Eu creio que já nessa. época meu talento verbal se adestrava nas discussões com os camaradas.
Eu me tinha tornado um pequeno chefe de motins, que, na escola, aprendia comfacilidade, mas era difícil de ser dirigido.
Quando, nas minhas horas livres, eu recebia lições de canto no coro paroquial de Lambach, tinha a melhor oportunidade de extasiar-me ante as pompas festivas das brilhantíssimas festas da igreja. Assim como meu pai via na posição de pároco de aldeia o ideal na vida, a mim também a situação de abade pareceu a aspiração mais elevada. Pelo menos temporariamente isso se deu.
Desde que meu pai, por motivos de fácil compreensão, não podia dar o devido apreço ao talento oratório do seu bulhento filho, para daí tirar conclusões favoráveis ao futuro do seu pimpolho, é óbvio que ele não concordasse comessas idéias de mocidade. Apreensivo, ele observava essa disparidade da natureza.
Na realidade a vocação temporária por essa profissão desapareceu muito cedo, para dar lugar a esperanças mais conformes com o meu temperamento.
Revolvendo a biblioteca paterna, deparei com diversos livros sobre assuntos militares, entre eles uma edição popular da guerra franco-alemã de 1870-1871. Eram dois volumes de uma revista ilustrada daquele tempo. Tornaram-se a minha leitura favorita. Não tardou muito para que a grande luta de heróis se transformasse para mim em um acontecimento da mais alta significação. Daí em diante, eu me entusiasmava cada vez mais por tudo que, de qualquer modo, se relacionasse com guerra ou com a vida militar. Sob outro aspecto, isso também deveria vir a ser de importância para mim. Pela primeira vez, embora ainda de maneira confusa, surgiu no meu espírito a pergunta sobre se havia alguma diferença entre estes alemães que lutavam e os outros e, emcaso afirmativo, qual era essa diferença. Por que a Áustria não combateu com a Alemanha nesta guerra? Por que meu pai e todos os outros não se bateram também? Não somos iguais a todos os outros alemães? Não formamos todos um corpo único? Esse problema começou, pela primeira vez, a agitar o meu espírito infantil. Com uma inveja intima, deveria às minhas cautelosas perguntasaceitar a resposta de que nem todo alemão possuía a felicidade de pertencer ao império de Bismarck. Isso era inconcebível para mim.
Estava decidido que eu deveria estudar.
Considerando o meu caráter e, sobretudo o meu temperamento, pensou meu pai poder chegar à conclusão de que o curso de humanidades oferecia uma contradição com as minhas tendências intelectuais. Pareceu-lhe que uma escola profissional corresponderia melhor ao caso. Nessa opinião, ele se fortaleceu ainda mais ante minha manifesta aptidão para o desenho, matéria cujo estudo, no seu modo de ver, era muito negligenciado nos ginásios austríacos. Talvez estivesse também exercendo influência decisiva nisso a sua difícil luta pela vida, na qual, aos seus olhos, o estudo de humanidades de pouca utilidade seria. Por princípio, era de opinião que, como ele, seu filho naturalmente seria e deveria ser funcionário público. Sua amarga juventude fez com que o êxito na vida fosse por ele visto como tanto maior quanto considerava o mesmo como produto de uma férrea disposição e de sua própria capacidade de trabalho. Era o orgulho do homem que se fez por si que o induzia a querer elevar seu filho a uma posição igual ou, se possível, mais alta que a do seu pai, tanto mais quando por sua própria diligência, estava apto a facilitar de muito a evolução deste.
O pensamento de uma repulsa aquilo que, para ele, se tornou o objetivo de uma vida inteira, parecia-lhe inconcebível. A resolução de meu pai era, pois, simples, definida, clara e, a seus olhos, compreensível por si mesma. Finalmente para o seu temperamento tornado imperioso através de uma amarga luta pela existência, no decorrer da sua vida inteira, parecia coisa absolutamente intolerável, em tais assuntos, entregar a decisão final a um jovem que lhe parecia inexperiente e ainda sem responsabilidade.
Seria impossível que isso se coadunasse com a sua usual concepção do cumprimento do dever, pois representava uma diminuição reprovável de sua autoridade paterna. Além disso, a ele cabia a responsabilidade do futuro do seu filho.
E, não obstante, coisa diferente deveria acontecer. Pela primeira vez na vida fui, mal chegava aos onze anos, forçado a fazer oposição.
Por mais firmemente decidido que meu pai estivesse na execução dos planos e propósitos que se formara, não era menor a teimosia e a obstinação de seu filho em repelir um pensamento que pouco ou nada lhe agradava.
Eu não queria ser funcionário.
Nem conselhos nem sérias admoestações conseguiram demover-me dessa oposição.
Nunca, jamais, em tempo algum, eu seria funcionário público.
Todas as tentativas para despertar em mim o amor por essa profissão, inclusive a descrição da vida de meu pai, malogravam-se, produziam o efeito contrário.
Era para mim abominável o pensamento de, como um escravo, um dia sentar-me em umescritório, de não ser senhor do meu tempo mas, ao contrário, limitar-me a ter comofinalidade na vida encher formulários! Que pensamento poderia isso despertar em um jovem que era tudo menos bom no sentido usual da palavra? O estudo extremamente fácil na escola proporcionava-me tanto tempo disponível que eu era mais visível ao ar livre do que em casa.
Quando hoje, meus adversários políticos examinam com carinhosa atenção a minha vida até aos tempos da minha juventude para, finalmente, poder apontar com satisfação os maus feitos que esse Hitler já na mocidade havia perpetrado, agradeço aos céus que agora alguma coisa me restitua à memória daqueles tempos felizes.
Campos e florestas eram outrora a sala de esgrima na qual as antíteses de sempre vinham à luz.
Mesmo a freqüência à escola profissional que se seguiu a isso em nada me serviu de estorvo.
Uma outra questão deveria, porém, ser decidida.
Enquanto a resolução de meu pai de fazer-me funcionário público encontrou em mimapenas uma oposição de princípios, o conflito foi facilmente suportável. Eu podia, então dissimular minhas idéias íntimas, não sendo preciso contraditar constantemente. Para minha tranqüilidade, bastava-me a firme decisão de não entrar de futuro para a burocracia. Essa resolução era, porém, inabalável. A situação agravou-se quando ao plano de meu pai eu opus o meu. Esse fato aconteceu já aos treze anos. Como isso se deu, não sei bem hoje, mas um dia pareceu-me claro que eu deveria ser artista, pintor.
Meu talento para o desenho, inquestionavelmente, continuava a afirmar-se, e foi até uma das razões por que meu pai me mandou à escola profissional sem contudo nunca lhe ter ocorrido dirigir a minha educação nesse sentido. Muito ao contrário. Quando eu, pela primeira vez, depois de renovada oposição ao pensamento favorito de meu pai, fui interrogado sobre que profissão desejava então escolher e quase de repente deixei escapar a firme resolução que havia adotado de ser pintor, ele quase perdeu a palavra.
Pintor! Artista! exclamou ele.
Julgou que eu tinha perdido o juízo ou talvez que eu não tivesse ouvido ou entendido bem a sua pergunta.
Quando compreendeu, porém, que não tinha havido mal-entendido, quando sentiu a seriedade da minha resolução, lançou-se com a mais inabalável decisão contra a minha idéia.
Sua resolução era demasiado firme. Inútil seria argumentar com as minhas aptidões para essa profissão.
Pintor, não! Enquanto eu viver, nunca! terminou meu pai.
O filho que, entre outras qualidades do pai, havia herdado a teimosia, retrucou com uma resposta semelhante mas no sentido contrário.
Cada um ficou irredutível no seu ponto de vista. Meu pai não abandonava o seu nunca e eu reforçava cada vez mais o meu não obstante.
As conseqüências disso não foram muito agradáveis. O velho tornou-se irritado e eu também, apesar de gostar muito dele. Afastou-se para mim qualquer esperança de vir a ser educado para a pintura. Fui mais adiante e declarei então absolutamente não mais estudar. Como eu, naturalmente, com essa declaração teria todas as desvantagens, pois o velhoparecia disposto a fazer triunfar a sua autoridade sem considerações de qualquer natureza, resolvi calar daí por diante, convertendo, porém, as minhas ameaças em realidade.
Acreditava que quando meu pai observasse a minha falta de aproveitamento na escola profissional, por bem ou por mal consentiria na minha sonhada felicidade.
Não sei se meus cálculos dariam certo. A verdade é que meu insucesso na escola verificou-se. Só estudava o que me agradava, sobretudo aquilo de que eu poderia precisar mais tarde como pintor. O que me parecia sem significação para esse objetivo ou o que não me era agradável, eu punha de lado inteiramente.
Nesse tempo os meus certificados de estudos, apresentavam sempre notas extremas, de acordo com as matérias e o apreço em que eu as tinha. Digno de louvor e ótimo, de um lado; sofrível ou péssimo do outro.
Incomparavelmente melhores eram os meus trabalhos em geografia e, sobretudo, emhistória. Eram essas as duas matérias favoritas, nas quais eu fazia progressos na classe.
Quando, depois de muitos anos, examino o resultado daqueles tempos, vejo dois fatos de muita significação:
1.° Tornei-me nacionalista.
2.° Aprendi a entender a história pelo seu verdadeiro sentido.
A antiga Áustria era umestado de muitas nacionalidades.
O cidadão do império alemão, pelo menos outrora, não podia, em última análise, compreender a significação desse fato na vida diária do indivíduo, em um Estado assim organizado como a Áustria.
Depois do maravilhoso cortejo triunfal dos heróis da guerra franco-prussiana, os alemães que viviam no estrangeiro eram vistos como cada vez mais estranhos à vida da nação, que, em parte, não se esforçavam por apreciar ou mesmo não o podiam.
Confundia-se, na Alemanha, sobretudo em relação aos austro-alemães, a desmoralizada dinastia austríaca com o povo que, na essência, se mantinha são.
Não se concebe como o alemão na Áustria - não fosse ele da melhor têmpera - pudesse possuir força para exercer a sua influência em um Estado de 52 milhões. Não se concebe também, sem essa hipótese, que, até na Alemanha, se tenha formado a opinião errada de que a Áustria era um Estado alemão, disparate de sérias conseqüências que constitui, porém, um brilhante atestado em favor dos dez milhões de alemães da fronteira oriental.
Só hoje, que essa triste fatalidade caiu sobre muitos milhões dos nossos próprios compatriotas, que, sob o domínio estrangeiro, acham-se afastados da Pátria e dela se lembram com angustiosa saudade e se esforçampor ter ao menos o direito à sagrada língua materna, compreende-se, em maiores proporções, o que significa ser obrigado a lutar pela sua nacionalidade.
Só então um ou outro poderá, talvez, avaliar a grandeza do sentimento alemão na velha fronteira oriental, sentimento que se manteve por si mesmo, e que, durar te séculos, protegera o Reich na fronteira oriental para finalmente se resumir a pequenas guerras destinadas apenas a conservar as fronteiras da língua. Isso se dava em um tempo em que o governo alemão se interessava por uma política colonial, enquanto se mantinha indiferente pela defesa da carne e do sangue de seu povo, diante de suas portas.
Como sempre acontece em todas as lutas, havia na campanha pela língua três classes distintas: os lutadores, os indiferentes e os traidores.
Já na escola se começava a notar essa separação, pois o mais digno de nota na luta pela língua é que é justamente na escola, como viveiro das gerações futuras, que as ondas do movimento se fazem sentir mais vibrantes.
Em torno da criança empenha-se a luta, e a ela é dirigido o primeiro apelo:
Menino de sangue alemão, não te esqueças de que és um alemão; menina, pensa que um dia deverás ser mãe alemã.
Quem conhece a alma da juventude poderá compreender que são justamente os moços que com mais intensa alegria ouvem tal grito de guerra. De centenas de maneiras diferentes costumam eles dirigir essa luta em que empregam os seus próprios meios e armas. Eles evitam canções não alemães, entusiasmam-se pelos heróis alemães, tanto mais quanto maior é o esforço para deles afastá-los, sacrificam o estômago para economizarem dinheiro para a luta dos grandes Em relação ao estudante não-alemão, são incrivelmente curiosos e ao mesmo tempo intratáveis. Usam as insígnias proibidas da nação e sentem-se felizes emser por isso castigados ou mesmo batidos. São, em pequenas proporções, um quadro fiel dos grandes, freqüentemente com melhores e mais sinceros sentimentos.
A mim também se ofereceu outrora a possibilidade de, ainda relativamente muito jovem,tomar parte na luta pela nacionalidade da antiga Áustria. Quando reunidos na associação escolar, expressávamos os nossos sentimentos usando lóios e as cores preta, vermelha e ouro, que, entusiasticamente, saudávamos com urras. Em vez da canção imperial, cantávamos Deutschland über alles, apesar das admoestações e dos castigos. A juventude era assim politicamente ensinada em um tempo em que os membros de uma soi-disant nacionalidade, na maioria da sua nacionalidade conhecia pouco mais do que a linguagem. Que eu então não pertencia aos indiferentes, compreende-se por si mesmo. Dentro de pouco tempo, eu me tinha transformado em um fanático Nacional-Alemão, designação que, de nenhuma maneira, é idêntica à concepção do atual partido com esse nome.
Essa evolução fez em mim progressos muito rápidos, tanto que, aos quinze anos, já tinha chegado a compreender a diferença entre patriotismo dinástico e nacionalismo racista. O último conhecia eu, então, muito mais.
Para quem nunca se deu ao trabalho de estudar as condições internas da monarquia dos Habsburgos, um tal acontecimento poderá não parecer claro. Somente as lições na escola sobre a história universal deveriam, na Áustria, lançar o germe desse desenvolvimento, mas só em pequenas proporções existe uma história austríaca específica.
O destino desse Estado é tão intimamente ligado à vida e ao crescimento do povo alemão, que uma separação entre a história alemã e a austríaca parece impossível. Quando, por fim, a Alemanha começou a separar-se em dois Estados diferentes, até essa separação passou para a história alemã.
As insígnias do Imperador, sinais do esplendor antigo do Império, preservadas emViena, parecem atuar mais como um poder de atração do que como penhor de uma eterna solidariedade. O primeiro grito dos austro-alemães, nos dias do desmembramento do Estado dos Habsburgos, no sentido de uma união com a Alemanha, era apenas efeito de um sentimento adormecido mas de raízes profundas no coração dos dois povos o anelo pela volta à mãe-pátria nunca esquecida.
Nunca seria isso, porém, compreensível, se a aprendizagem histórica dos austro-alemães não fosse a causa de uma aspiração tão geral. Ai está a fonte que nunca se estanca, a qual, sobretudo nos momentos de esquecimento, pondo de parte as delícias do presente, exorta o povo, pela lembrança do passado, a pensar em um novo futuro.
O ensino da história universal nas chamadas escolas médias ainda hoje muito deixa a desejar. Poucos professores compreendem que a finalidade do ensino da história não deve consistir em aprender de cor datas e acontecimentos ou obrigar o aluno a saber quando esta ou aquela batalha se realizou, quando nasceu um general ou quando um monarca quase sempre sem significação, pôs sobre a cabeça a coroa dos seus avós. Não, graças a Deus não é disso que se deve tratar.
Aprender história quer dizer procurar e encontrar as forças que conduzem às causas das ações que vemos como acontecimentos históricos. A arte da leitura como da instrução consiste nisto: conservar o essencial, esquecer o dispensável.
Foi talvez decisivo para a minha vida posterior que me fosse dada a felicidade de ter como professor de história um dos poucos que a entendiam por esse ponto de vista e assima ensinavam. O professor Leopold Pötsch, da escola profissional de Linz, realizara esse objetivo de maneira ideal. Era ele um homem idoso, bom mas enérgico e, sobretudo pela sua deslumbrante eloqüência, conseguia não só prender a nossa atenção mas empolgar-nos de verdade. Ainda hoje, lembro-me com doce emoção do velho professor que, no calor de sua exposição, fazia-nos esquecer o presente, encantava-nos com o passado e do nevoeiro dos séculos retirava os áridos acontecimentos históricos para transformá-los em viva realidade. Nós o ouvíamos muitas vezes dominados pelo mais intenso entusiasmo, outras vezes comovidos até às lágrimas. O nosso contentamento era tanto maior quanto este professor entendia que o presente devia ser esclarecido pelo passado e deste deviam ser tiradas as conseqüências para dai deduzir o presente. Assim fornecia ele, muito freqüentemente, explicações para o problema do dia, que outrora nos deixava em confusão. Nosso fanatismo nacional de jovens era um recurso educacional de que ele, freqüentemente apelando para o nosso sentimento patriótico, se servia para completar a nossa preparação mais depressa do que teria sido possível por quaisquer outros meios. Esse professor fez da história o meu estudo favorito. Assim, já naqueles tempos, tornei-me um jovemrevolucionário, sem que fosse esse o seu objetivo.
Quem, com um tal professor, poderia aprender a história alemã, sem ficar inimigo do governo que, de maneira tão nefasta, exercia a sua influência sobre os destinos da nação?
Quem poderia, finalmente, ficar fiel ao imperador de uma dinastia que no passado e no presente sempre traiu os interesses do povo alemão, em beneficio de mesquinhos interesses pessoais?
Já não sabíamos, nós jovens, que esse Estado austríaco nenhum amor por nós possuía e sobretudo não podia possuir?
O conhecimento histórico da atuação dos Habsburgos foi reforçado pela experiência diária. No norte e no sul, o veneno estrangeiro devorava o nosso sentimento racial, e até Viena tornava-se, a olhos vistos e cada vez mais, estranha ao espírito alemão.
A Casa da Áustria tchequizava-se, por toda parte, e foi por efeito do punho da deusa do direito eterno e da inexorável lei de Talião que o inimigo mortal da Áustria alemã, arquiduque Franz Ferdinando, foi vítima de uma bala que ele próprio havia ajudado a fundir. Era ele o patrono da eslavização da Áustria, que se operava de cima para baixo, por todas as formas possíveis.
Enormes foram os ônus que se exigiamdo povo alemão, inauditos os seus sacrifícios emimpostos e em sangue, e, não obstante, quem quer que não fosse cego, deveria reconhecer que tudo isso seria inútil.
O que nos era mais doloroso era o fato de ser esse sistema moralmente protegido pela aliança com a Alemanha, e que a lenta extirpação do sentimento alemão na velha monarquia até certo ponto tinha a sanção da própria Alemanha.
A hipocrisia dos Habsburgos com a qual se pretendia dar no exterior a aparência de que a Áustria ainda era um Estado alemão, fazia crescer o ódio contra a Casa Austríaca, até atingir a indignação e, ao mesmo tempo, o desprezo.
Só no Reich os já então predestinados nada viam de tudo isso.
Como atingidos pela cegueira, caminhavam eles ao lado de um cadáver e, nos sinais da decomposição, acreditavam descobrir indícios de nova vida.
Na fatal aliança do jovem império alemão com o arremedo de Estado austríaco estava o germe da Grande Guerra, mas também o do desmembramento.
No decurso deste livro terei que meocupar mais demoradamente deste problema. Basta que aqui se constate que, já nos primeiros anos da juventude, eu havia chegado a umaopinião que nunca mais me abandonou, mas, pelo contrário, cada vez mais se fortificou. E essa era que a segurança do germanismo pressupunha a destruição da Áustria e que o sentimento nacional não era idêntico ao patriotismo dinástico e que, antes de tudo, a Casa dos Habsburgos estava destinada a fazer a infelicidade do povo alemão.
Dessa convicção eu já tinha outrora tirado as conseqüências: amor ao meu berço austro-alemão, profundo ódio contra o governo austríaco.
A arte de pensar pela história, que me tinha sido ensinada na escola, nunca mais me abandonou. A história universal tornou-se para mim, cada vez mais, uma fonte inesgotável de conhecimentos para agir no presente, isto é, para a política. Eu não quero aprender a história por si, mas, ao contrário, quero que ela me sirva de ensinamento para a vida.
Assim como logo cedo tornei-me revolucionário, também tornei-me artista.
A capital da alta Áustria possuía outrora um teatro que não era mau. Nêle se representava quase tudo. Aos doze anos, vi pela primeira vez Guilherme Te!! e, alguns meses depois, Lohengrin, a primeira ópera que assisti na minha vida. Senti-meimediatamente cativado pela música. O entusiasmo juvenil pelo mestre de Bayreuth não conhecia limites.
Cada vez mais me sentia atraído pela sua obra, e considero hoje uma felicidade especial que a maneira modesta por que foram as peças representadas na capital da província metivesse deixado a possibilidade de um aumento de entusiasmo em representações posteriores mais perfeitas.
Tudo isso fortificava minha profunda aversão pela profissão que meu pai me havia escolhido. Essa aversão cresceu depois de passados os dias da meninice, que para mim foram cheios de pesares. Cada vez mais eu me convencia que nunca seria feliz como empregado público. Depois que, na escola profissional, meus dotes de desenhista se tornaram conhecidos, a minha resolução ainda mais se afirmou.
Nem pedidos nem ameaças seriam capazes de modificar essa decisão.
Eu queria ser pintor e, de modo algum, funcionário público.
E, coisa singular, com o decorrer dos anos aumentava sempre o meu interesses pela arquitetura.
Eu considerava isso, outrora, como umnatural complemento da minha inclinação para a pintura e regozijava-me intimamente com esse desenvolvimento da minha formação artística.
Que outra coisa, contrário a isso, viesse acontecer, não previa eu.
O problema da minha profissão devia, porém, ser decidido mais rapidamente do que eu supunha.
Aos treze anos perdi repentinamente meu pai. Ainda muito vigoroso, foi vítima de um ataque apoplético que, sem provocar-lhe nenhum sofrimento, encerrou a sua peregrinação na terra, mergulhando-nos na mais profunda dor.
O que mais almejava, isto é, facilitar a existência de seu filho, para poupar-lhe a vida de dificuldades que ele próprio experimentara, não havia sido alcançado, na sua opinião. Apenas sem o saber, ele lançou as bases de um futuro que não havíamos previsto, nem ele, nem eu.
Aparentemente, a situação não se modificou logo.
Minha mãe sentia-se no dever de, conforme aos desejos de meu pai, continuar minha educação, isto é, fazer-me estudar para a carreira de funcionário. Eu, porém, estava ainda mais decidido do que antes, a não ser burocrata, sob condição alguma. A proporção que a escola média, pelas matérias estudadas ou pela maneira de ensiná-las, afastava-se do meu ideal, eu me tornava indiferente ao estudo.
Inesperadamente, uma enfermidade veio em meu auxílio e, em poucas semanas, decidiu do meu futuro, pondo termo à constante controvérsia na casa paterna.
Uma grave afecção pulmonar fez com que o médico aconselhasse a minha mãe, com o maior empenho, a não permitir absolutamente. que, de futuro, eu me entregasse a trabalhos de escritório. A freqüência à escola profissional deveria também ser suspensa pelo menos por um ano.
Aquilo que eu, durante tanto tempo, almejava, e por que tanto me tinha batido, ia, por força desse fato, uma vez por todas, transformar-se em realidade.
Sob a impressão da minha moléstia, minha mãe consentiu finalmente em tirar-me, tempos depois, da escola profissional e em deixar-me freqüentar a Academia. Foram os dias mais felizes da minha vida, que me pareciam quase que um sonho e na realidade de sonho não passaram.
Dois anos mais tarde, o falecimento de minha mãe dava a esses belos projetos uminesperado desenlace.
A sua morte se deu depois de uma longa e dolorosa enfermidade que, logo de começo, pouca esperança de cura oferecia. Não obstante isso, o golpe atingiu-me atrozmente. Eu respeitava meu pai, mas por minha mãe tinha verdadeiro amor.
A pobreza e a dura realidade da vida forçaram-me a tomar uma rápida resolução. Os pequenos recursos econômicos deixados por meu pai foram quase esgotados durante a grave enfermidade de minha mãe. A pensão que me coube como órfão, não era suficiente nem para as necessidades mais imperiosas. Estava escrito que eu, de uma maneira ou de outra, deveria ganhar o pão com o meu trabalho.
Tendo na mão unia pequena mala de roupa e, no coração, uma vontade imperturbável, viajei para Viena.
O que meu pai, cinqüenta anos antes, havia conseguido, esperava eu também obter da sorte. Eu queria tornar-me alguém, mas, em caso algum, empregado público.





Links:


Sanderlei Silveira (Website)

Conheça seu Estado - História e Geografia

Poesia em Português, Inglês, Espanhol e Francês

Áudio Livro

Livros Online

Obra completa de Machado de Assis

Billboard Hot 100 - Letras de Músicas | Song Lyrics - Songtext - Testo Canzone - Paroles Musique - 歌曲歌词 - 歌詞 - كلمات الاغنية - песни Текст

Educação Infantil - Vídeos, Jogos e Atividades Educativas para crianças de 4 à 11 anos

Língua Portuguesa e Atualidades

Arte e Estética

Santa Catarina - Conheça seu Estado

São Paulo - Conheça seu Estado

Paraná - Conheça seu Estado

Mato Grosso do Sul - Conheça seu Estado

Bíblia Online

O Diário de Anne Frank

Macunaíma - Mário de Andrade

Dom Casmurro - Machado de Assis

Quincas Borba - Machado de Assis

Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis

Esaú e Jacó - Machado de Assis

Mein Kampf - Adolf Hitler

Cinco Minutos - José de Alencar

O Triste Fim de Policarpo Quaresma - Lima Barreto

História em 1 Minuto

TOP 15: PDF para Download - Domínio Público


Livros em PDF para Download

Eça de Queiros - Livros em PDF para Download

Jane Austen - Livros em PDF para Download

José de Alencar - Livros em PDF para Download

Machado de Assis - Livros em PDF para Download

Virginia Woolf - Livros em PDF para Download

William Shakespeare - Livros em PDF para Download

Mein Kampf - Adolf Hitler - Download PDF Livro Online

O Alienista - Machado de Assis - PDF Download Livro Online

O Diário de Anne Frank - Download PDF Livro Online

Macunaíma - Mário de Andrade - PDF Download Livro Online

Esaú e Jacó - Machado de Assis - PDF Download Livro Online

Dom Casmurro - Machado de Assis - PDF Download Livro Online

Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis - PDF Download Livro Online

Quincas Borba - Machado de Assis - PDF Download Livro Online

TOP 10: Billboard - Letras de Músicas - Song Lyrics - Songtext


One Dance - Drake - Song Lyrics

Broccoli - D.R.A.M. - Song Lyrics

Don't Mind - Kent Jones - Song Lyrics

Luv - Tory Lanez - Song Lyrics

Can't Stop The Feeling! - Justin Timberlake - Song Lyrics

This Is What You Came - Calvin Harris Ft. Rihanna - Song Lyrics

Sorry - Justin Bieber - Song Lyrics

Sit Still, Look Pretty - Daya - Song Lyrics

Fix - Chris Lane - Song Lyrics

With You Tonight / Hasta El Amanecer - Nicky Jam - Song Lyrics

TOP 60:


As festas populares no estado de São Paulo

Assalto - Carlos Drummond de Andrade

Atividades extrativistas do estado de São Paulo - SP

As festas populares no estado do Paraná - PR

Áreas de preservação no estado de São Paulo - SP

Gonçalves Dias - Marabá - Poesia

O tropeirismo no estado do Paraná - PR

Bacias hidrográficas do estado de São Paulo - SP

Atividades extrativistas no Paraná - PR

Os imigrantes no século XIX e XX no estado do Paraná - PR

Atividades extrativistas do Mato Grosso do Sul - MS

As atividades econômicas do estado de São Paulo - SP

As festas populares do estado de Mato Grosso do Sul - MS

Biomas brasileiros - SC

Atividades extrativistas de Santa Catarina - SC

Religião – Idade Antiga (História em 1 Minuto)

A população africana e a escravidão no Paraná - PR

Os imigrantes no estado de Santa Catarina no século XX - SC

Áreas de preservação Ambiental no estado de Santa Catarina - SC

As comunidades quilombolas no Mato Grosso do Sul - MS

O relevo do estado de São Paulo - SP

As atividades econômicas do estado do Paraná - PR

Áreas de preservação Ambiental no estado de Mato Grosso do Sul - MS

Memórias Póstumas de Brás Cubas - Capítulo 160 - Das Negativas (Machado de Assis)

Os biomas no estado do Mato Grosso do Sul - MS

A urbanização no estado de São Paulo no início do século XX - SP

A organização do espaço geográfico brasileiro

A poluição do rio Iguaçu (maior rio do Paraná) - PR

Clima e relevo do estado do Paraná - PR

As atividades econômicas no estado de Santa Catarina - SC

Áreas de preservação do estado do Paraná - PR

O Humanitismo - Capítulo 117 - Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis

As comunidades quilombolas no estado de Santa Catarina - SC

Vegetação nativa do estado de Santa Catarina - SC

As comunidades quilombolas no estado de São Paulo na atualidade - SP

Os índios Xetá no estado do Paraná - PR

Bacias hidrográficas de Santa Catarina - SC

Rio Iguaçu e sua importancia na historia do Paraná - PR

Machado de Assis - Esaú e Jacó - Capítulo 60 - Manhã de 15

A ocupação e o povoamento do Mato Grosso do Sul - MS

Clima e relevo no estado de Santa Catarina - SC

A formação da cultura de Santa Catarina - SC

Capítulo 17 - Ursa Maior - Mário de Andrade - Macunaíma

Luís Vaz de Camões - Soneto 57 - De Vos me Aparto, oh Vida! Em Tal Mudança

Bacias hidrográficas do Mato Grosso do Sul - MS

Gonçalves Dias - Canção do exílio - Poesia

As comunidades quilombolas no estado do Paraná - PR

A imigração europeia no estado do Paraná - PR

Elizabeth Barrett Browning - Sonnet 43 - How Do I Love Thee?

Biomas brasileiros - PR

Relevo do estado de Mato Grosso do Sul - MS

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas

Luís Vaz de Camões - Soneto 43 - Como Quando do Mar Tempestuoso

A população indígena na região do estado de Santa Catarina - SC

Luís Vaz de Camões - Soneto 45 - Leda Serenidade Deleitosa

Norte Catarinense (Mesorregião) - SC

Top 10 - Prédios mais altos do mundo

A arte como registro histórico

A escultura, depois de Alexander Calder

Atividades Educativas Ensino Fundamental - Aprendendo sobre o Dinheiro

TOP 10: BLOG


História em 1 Minuto

Santa Catarina - Conheça seu Estado (História e Geografia)

São Paulo - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Paraná - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Mato Grosso do Sul - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Rio de Janeiro - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Língua Portuguesa, Arte e Literatura

Letras de Músicas - Sanderlei

Poesia - Sanderlei Silveira

Áudio Livro - Sanderlei



CAPÍTULO II - ANOS DE APRENDIZADO E DE SOFRIMENTO EM VIENA




Quando minha mãe morreu, meu destino sob certo aspecto já se tinha decidido.
Nos seus últimos meses de sofrimento eu tinha ido a Viena para fazer exame de admissão à Academia. Armado de um grosso volume de desenhos, dirigi-me à capital austríaca convencido de poder facilmente ser aprovado no exame. Na escola profissional eu já era sem nenhuma dúvida, o primeiro aluno de desenho da minha classe. Daquele tempo para cá a minha aptidão se tinha desenvolvido extraordinariamente. de maneira que, contente comigo mesmo, esperava, orgulhoso e feliz, obter o melhor resultado da prova a que me ia submeter.
Só uma coisa me afligia: meu talento para a pintura parecia sobrepujado pelo talento para o desenho, sobretudo no domínio da arquitetura. Ao mesmo tempo, crescia cada vez mais meu interesses pela arte das construções. Mais vivo ainda se tornou esse interesse quando, aos dezesseis anos incompletos, fiz minha primeira visita a Viena, visita que durou duas semanas. Ali fui para estudar a galeria de pintura do Hofmuseum, mas quase só meinteressava o próprio edifício do museu. Passava o dia inteiro, desde a manhã até tarde da noite, percorrendo com a vista todas as raridades nele contidas, mas, na realidade, as construções é que mais me prendiam a atenção. Durante horas seguidas, ficava diante da Ópera ou admirando o edifício de Parlamento. A Ringstrasse atuava sobre mim como umconto de mil-e-uma noites.
Achava-me agora, pela segunda vez, na grande cidade, e esperava com ardente impaciência, e, ao mesmo tempo, com orgulhosa confiança, o resultado do meu exame de admissão. Estava tão convencido do êxito do meu exame que a reprovação que meanunciaram feriu-me como um raio que caísse de um céu sereno. Era, no entanto, uma pura verdade. Quando me apresentei ao diretor para pedir-lhe os motivos da minha não aceitação à escola pública de pintura, assegurou-me ele que, pelos desenhos por mim trazidos, evidenciava-se a minha inaptidão para a pintura e que a minha vocação era visivelmente para a arquitetura. No meu caso, acrescentou ele, o problema não era de escola de pintura mas de escola de arquitetura.
Não se pode absolutamente compreender, em face disso, que eu até hoje não tenha freqüentado nenhuma escola de arquitetura nem mesmo tomado sequer uma lição.
Abatido, deixei o magnífico edifício da Shillerplatz, sentindo-me. pela primeira vez na vida, em luta comigo mesmo. O que o diretor me havia dito a respeito da minha capacidade agiu sobre mim como um raio deslumbrante a revelar uma luta íntima, que, de há muito, eu vinha sofrendo, sem até então poder dar-me conta do porquê e do como.
Em pouco tempo, convenci-me de que umdia eu deveria ser arquiteto. O caminho era, porém, dificílimo, pois o que eu, por teimosia, tinha evitado aprender na escola profissional, ia agora fazer-me falta. A freqüência da Escola de Arquitetura da Academia dependia da freqüência da escola técnica de construções e a entrada para essa exigia um exame de madureza em uma escola média. Tudo isso me faltava completamente. Dentro das possibilidades humanas, já não me era mais lícito esperar a realização dos meus sonhos de artista.
Quando, depois da morte de minha mãe, pela terceira vez, e desta vez para demorar-me muitos anos, fui a Viena, a tranqüilidade e uma firme resolução tinham voltado a mim, com
o tempo decorrido nesse intervalo.
A antiga teimosia também tinha voltado e com ela a persistência na realização do meu objetivo. Eu queria ser arquiteto. Obstáculos existem não para que capitulemos diante deles mas para os vencermos. E eu estava disposto a arrostar com todas essas dificuldades, sempre tendo, diante dos olhos, a imagem de meu pai, que, de simples aprendiz de sapateiro de aldeia, tinha subido até ao funcionalismo público. O chão sobre que eu pisava era mais firme, as possibilidades na luta, maiores. O que, outrora, me parecia aspereza da sorte, aprecio hoje como sabedoria da Providência. Enquanto a necessidade me oprimia e ameaçava aniquilar-me, crescia a vontade de lutar. E, finalmente, foi vitoriosa a vontade. Agradeço àqueles tempos o ter-me tornado forte e poder sê-lo ainda. E ainda mais agradeço
o ter-me livrado do tédio da vida fácil e ter-me tirado do conforto despreocupado do lar, para dar-me o sofrimento como substituto de minha mãe e lançar-me na luta de um mundo de misérias e de pobreza, que aprendi a conhecer e pelo qual mais tarde deveria lutar.
Nesse tempo, abriram-se-me os olhos para dois perigos que eu mal conhecia pelos nomes e que, de nenhum modo, se me apresentavam nitidamente na sua horrível significação para a existência do povo germânico: marxismo e judaísmo.
Viena, a cidade que para muitos reputada como um complexo de inocentes prazeres, como lugar para homens que se querem divertir, vale para mim, infelizmente, como uma viva lembrança dos mais tristes tempos da minha vida. Ainda hoje, essa capital só desperta em mim pensamentos sombrios. Cinco anos de miséria e de sofrimentos, eis o que significa a minha estadia nessa cidade de prazeres. Cinco anos em que, primeiro como ajudante de operário, depois como aprendiz de pintor, vime forçado a trabalhar pelo pão quotidiano, mesquinho pão que nunca bastava para saciar a minha fome habitual, A fome era então minha companheira fiel que nunca me deixava sozinho e que de tudo igualmente participava. Cada livro que eu comprava aumentava a sua participação na minha vida. Uma visita à Ópera fazia com que ela me fizesse companhia o dia inteiro. Era uma eterna luta com o meu impiedoso companheiro. E, não obstante isso, nesse tempo aprendi mais do que nunca. Além do meu trabalho em construções, das raras visitas à Ópera, - feitas com o sacrifício do estômago - tinha como único prazer a leitura. Li muito e profundamente. No tempo livre, depois do trabalho, subia imediatamente ao meu quarto de estudo. Em poucos anos, lancei os alicerces de conhecimentos de que ainda hoje me utilizo. Mais importante do que tudo isso: naqueles tempos adquiri uma noção do mundo que serviu de fundamento granítico para o meu modo de agir de então. A essa noção precisei acrescentar pouca coisa, mudar nada.
Ao contrário.
Estou firmemente convencido de que, em conjunto, várias idéias criadoras que hoje possuo, já na mocidade apareciam fundadas emprincípios. Faço diferença entre a sabedoria da velhice, que vale pela sua maior profundidade e prudência, resultantes da experiência de uma longa vida, e a genialidade da juventude que, em inesgotável proliferação, cria pensamentos e idéias sem poder logo elaborá-las definitivamente, em conseqüência do tumulto em que elas se sucedem. A mocidade fornece o material de construção e os pia-nos de futuro, dos quais a velhice toma os blocos, trabalha-os e levanta a construção, issoquando a chamada sabedoria dos velhos não sufoca a genialidade dos moços.
A vida que eu até ali tinha levado na casa paterna diferenciava-se em pouco ou em nada da vida dos outros. Sem cuidados, podia esperar pelo dia seguinte, e para mim não havia questão social. As relações da minha juventude compunham-se de pequenos burgueses, por conseguinte de um mundo que mantinha muito poucas relações com o verdadeiro operário. Por mais estranho que isso possa parecer à primeira vista, o abismo entre essa camada social, cuja situação econômica nada temde brilhante, e o trabalhador manual, é freqüentemente mais profundo do que se pensa. A razão dessa quase inimizade jaz no receio que tem um grupo social que, apenas há pouco tempo, elevou-se acima do nível do proletariado, de descer à antiga e pouco prezada posição ou de, pelo menos, ser visto como pertencendo a essa classe. A isso se acrescente, entre muitos, a desagradável lembrança da ignorância dessa baixa classe, a constante brutalidade nas suas relações uns com os outros e compreender-se-á porque a pequena burguesia, em uma posição social ainda inferior, considera todo contato com essas ínfimas camadas sociais como um fardo insuportável.
Isso explica porque é mais freqüente a uma pessoa altamente colocada, do que a um parvenu, nivelar-se, sem afetação, com os mais humildes. O parvenu é o que, por sua própria força de vontade, passa, na luta pela vida, de uma posição social a outra mais elevada. Essa luta, as mais das vezes áspera, mata a compaixão no coração humano e estanca a simpatia pelos sofrimentos dos que ficam atrás.
Sob esse aspecto, a sorte foi comigo compassiva. Enquanto me compelia a voltar para esse mundo de pobreza e de incertezas, que, no decurso de sua vida, meu pai já havia abandonado, punha, ao mesmo tempo, diante dos meus olhos, com todos os seus aspectos repugnantes, a educação estreita dos pequenos burgueses. Só então aprendi a conhecer os homens, aprendi a fazer a diferença entre ocas aparências, exteriorizações brutais e a essência íntima das coisas.
Já no fim do século passado, Viena pertencia ao número das cidades em que era visível
o desequilíbrio social.
Brilhante riqueza e degradante pobreza revezavam-se em contrastes violentos. No centro da cidade e nas suas adjacências sentia-se o bater do pulso do Império de cinqüenta e dois milhões, com todo o seu poder mágico de atração, nesse Estado de várias nacionalidades. A Corte no seu deslumbrante esplendor, agia como ímã sobre a riqueza e a inteligência doresto do Estado. A isso deve-se juntar a forte centralização da política da monarquia dos Habsburgos. Nessa concentração, estava a única possibilidade de manter-se em firme união essa salada de povos. A conseqüência disso foi, porém, uma exagerada concentração das autoridades governamentais na capital, na residência da Corte
Além disso, Viena era, não só espiritual e politicamente, mas também economicamente,
o centro da antiga monarquia danubiana. Em frente ao exército de oficiais superiores, funcionários públicos, artistas e sábios, estendia-se um exército ainda maior, composto de trabalhadores; em frente da riqueza da aristocracia e do comércio, uma pobreza atroz. Diante dos palácios da Ringstrasse perambulavam milhares de sem-trabalho e, por baixo dessa via triunfal da velha Áustria, amontoavam-se os sem-teto, no lusco-fusco e na imundície dos canais.
Dificilmente em uma cidade alemã se poderia tão bem estudar a questão social como emViena. Mas ninguém se iluda. esse estudo não pode ser feito de cima para baixo. Quem não se viu nas garras dessa víbora nunca aprenderá a conhecer os seus dentes venenosos. Semessa etapa, tudo redunda em palavreado superficial ou sentimentalismo hipócrita. Um e outro caso são de conseqüências nocivas: no primeiro, porque não se pode descer ao âmago da questão, no segundo, porque se passa sobre ela.
Não sei o que é mais desolador: a indiferença pela miséria social que se nota diariamente na maioria dos que foram favorecidos pela sorte ou que subiram pelos seus próprios méritos, ou a afabilidade soberba, importuna, sem tato, embora sempre compassiva, de certas senhoras da moda que afetam sentir como povo. Essa gente peca por falta de instinto mais do que se pode supor. Por isso, com surpresa sua, o resultado de sua atividade social é sempre nulo, freqüentemente provoca repulsa, o que é interpretado como prova da ingratidão do povo.
Dificilmente entra na cabeça dessa gente que uma atividade social não consiste nisso e que, sobretudo, não se deve esperar gratidão, pois, no caso, não se trata de distribuição de favores mas apenas de restabelecimento de direitos.
Por isso, escapei de entender a questão social por essa forma. Quando ela me arrastou aos seus domínios parecia não me convidar para aprender mas sim para pôr-me à prova. Não foi por seu merecimento que a cobaia, ainda sadia, suportou a operação.
Na maior parte dos casos não era muito difícil, naquele tempo, encontrar trabalho, uma vez que eu não era operário técnico, mas devia conquistar o pão de cada dia, como ajudante de operário e muitas vezes como trabalhador de. emergência.
Colocava-me, por isso, no ponto de vista daqueles que sacodem dos pés a poeira da Europa, com o irremovível propósito de, rio Novo Mundo, criar uma nova vida, construir uma nova pátria. Libertados de todas as noções até aqui falhas sobre profissão, ambiente e tradições, pegam-se a todo ganho que se lhes oferece, agarram-se a todo trabalho, lutando sempre, com a convicção de que nenhuma atividade envergonha, pouco importando de que natureza esta possa ser. Assimestava eu também decidido a lançar-me de corpo e alma no mundo para mim novo e abrir-me um caminho, lutando.
Cedo me convenci de que trabalho há sempre, mas perdemo-lo com a mesma facilidade com que o encontramos.
A incerteza do ganho do pão quotidiano, dentro de pouco tempo pareceu-me ser o aspecto mais sombrio da nova vida.
O operário técnico não é lançado tão freqüentemente na rua, como os que não o são, mas ele também não está inteiramente ao abrigo dessa sorte. Entre eles, ao lado da perda do pão por falta de trabalho, podem concorrer o chômage e as suas próprias greves.
Nesses casos, a incerteza do ganho do pão diário tem fortes reações sobre toda a economia.
O camponês que se dirige às grandes cidades atraído pelo trabalho que imagina fácil ou que o é realmente, mas sempre trabalho de pouca duração, ou o que é atraído pelo esplendor da grande cidade, o que sucede na maioria dos casos, esse ainda está habituado a uma certa segurança do pão. Ele costuma só abandonar os antigos postos, quando tem outro pelo menos em perspectiva.
A falta de trabalhadores do campo é grande e, por isso, a probabilidade de falta de trabalho é ali muito pequena.
É pois, um erro acreditar que o jovem trabalhador que se dirige à cidade seja inferior ao que fica trabalhando na aldeia. A experiência mostra que acontece o contrário com todos os elementos de emigração, quando são sadios e ativos. Entre esses emigrantes devem-se contar não só os que vão para a América mas também os jovens que se decidem a abandonar sua aldeia para se dirigirem as grandes capitais desconhecidas. Esses tambémestão dispostos a aceitar uma sorte incerta. Na maioria, trazem algum dinheiro, e, por isso, não se vêem na contingência de ser arrastados ao desespero logo nos primeiros dias, se, por infelicidade, de começo não encontram trabalho. O pior é, porém, quando perdem, empouco tempo, o trabalho que haviam encontrado. Encontrar outro, sobretudo no inverno, é difícil, se não impossível. Nas primeiras semanas, a situação é ainda insuportável, pois ele recebe da caixa do sindicato a proteção dada ao seu trabalho e atravessa como pode os dias de desemprego. Quando o seu último vintémé gasto, quando a caixa, em conseqüência da longa duração da falta de trabalho, também suspende o pagamento, vem a grande miséria. Então, faminto, erra para cima e para baixo, empenha ou vende os objetos que lhe restam e cada vez mais sensível se lhe torna a falta de roupas. Desce a uma Convivência que acaba por envenenar-lhe o corpo e a alma. Fica sem casa e, se isso acontece no inverno como é comum, então a miséria aumenta. Finalmente, encontra algum trabalho, mas o jogo serepete. Uma segunda vez atingiu de maneira semelhante à primeira, a terceira vez as coisas se tornaram ainda mais difíceis, e assim, pouco a pouco, ele aprende a suportar comindiferença a eterna insegurança. Por fim, a repetição adquire força de hábito.
E assim o homem, outrora diligente, abandona inteiramente a sua antiga concepção da vida, para, pouco a pouco, transformar-se emum instrumento cego daqueles que dele se utilizam apenas na satisfação dos mais baixos proveitos. Sem nenhuma culpa sua ele ficou tantas vezes sem trabalho, que, mais uma vez, menos uma vez, pouco lhe importa. Assim mesmo quando não se trata da luta pelos direitos econômicos do operariado mas de destruição dos valores políticos, sociais ou culturais, ele será então, quando não entusiasta de greves, pelo menos indiferente a elas.
Essa evolução eu tive oportunidade de acompanhar cuidadosamente em milhares de exemplos. Quanto mais eu observava esses fatos, tanto mais aumentava a minha aversão pela cidade dos milhões que os homens, cheios de cobiça, acumulavam para, depois, tão cruelmente, desperdiçá-los.
Eu também fui fustigado pela vida na grande metrópole e à minha própria custa submeti-me a essa provação, experimentando, uma por uma todas essas dolorosas sensações.
Observei ainda que essa rápida mudança do trabalho para a ociosidade forçada e vice-versa, essa eterna oscilação do emprego para o desemprego, com o tempo, haveria de destruir o sentimento de economia e as razões para um prudente equilíbrio de vida. Lentamente o corpo parece acostumar-se a viver à farta nos bons tempos e a passar fomenos maus. A fome destrói todos os projetos dos operários no sentido de um melhor e mais razoável modus vivendi. Nos bons tempos eles se deixam embalar por uma constante miragem pelo sonho de uma vida melhor, sonho que empolga de tal modo a sua existência que eles esquecem as antigas privações, logo que recebem os seus salários. Dai resulta que
o que consegue trabalho, imediatamente, da maneira mais desrazoável, esquece uma prudente distribuição de suas despesas, para viver à larga, apenas nos dias imediatos. Isso conduz ao transtorno da manutenção da casa durante a semana, tornando não mais possível uma razoável distribuição da receita. O dinheiro da semana, de começo, dá para cinco dias em vez de sete, mais tarde para três em vez de quatro, finalmente apenas para um dia e, por fim, logo na primeira noite é inteiramente gasto em prazeres.
Em casa, as mais das vezes, há mulher e crianças. Também elas recebem a influência dessa maneira de viver, principalmente se o chefe de família é bom para os seus. Nesse caso, o ganho da semana é esbanjado com todos em casa nos três primeiros dias. Come-se e bebe-se enquanto o dinheiro dura, e, nos últimos dias, todos passam fome. Então a mulher percorre humildemente a vizinhança e os arredores, pede emprestado alguma coisa, faz pequenas dividas no vendeiro e procura assim manter-se com os seus nos últimos dias da semana. Ao meio-dia, sentam-se todos juntos, diante de magros pratos, muitas vezes até esses faltam, e, fazendo planos, esperam pelo dia do pagamento. Enquanto passam fome sonham de novo com a felicidade. E assim as crianças desde a mais tenra idade, acostumam-se a essa miséria, o pior, porém, é quando, desde o começo, o marido segue o seu caminho e a mulher, por amor aos filhos, levanta-se contra isso. Então surgem as brigas, as disputas constantes. E à proporção que o marido se afasta da mulher, aproxima-se do álcool. Todos os sábados ele se embriaga. Por instinto de conservação, por si e pelos filhos, a mulher briga para tomar os últimos vinténs do marido quando este se dirige dafábrica para a espelunca. Por fim, domingo ou segunda-feira, à noite, ele volta para casa, embriagado e brutal, sempre sem vintém. Então desenrolam-se freqüentemente cenas lastimáveis.
Assisti tudo isso em centenas de casos. No começo sentia-me enojado ou irritado para, mais tarde, compreender toda a tragédia dessa miséria e as suas causas mais profundas. Infelizes vitimas de péssimas condições sociais.
Tão tristes, talvez, eram, outrora, as condições das habitações. A crise de casas para os ajudantes de operários de Viena era horrível. Ainda hoje sinto calafrios quando penso naqueles horríveis covis, as estalagens e nas habitações coletivas, naqueles sombrios quadros de sujeira e de escândalos. Que poderia resultar daí, quando desses covis de miséria a torrente de escravos abandonados se lançasse sobre a outra parte da humanidade, livre de cuidados, despreocupada?
Sim, o resto do mundo é despreocupado. Despreocupado fica, deixando que as coisas sigam o seu caminho, sem pensar que, na sua falta de intuição, a revanche terá lugar, mais cedo ou mais tarde, se em tempo os homens não modificarem essa triste realidade.
Quanto agradeço hoje à Providência o ter-me lançado nessa escola! Aí eu não podia mais sabotar o que não me era agradável. Essa escola educou-me depressa e solidamente.
A menos que eu não quisesse perder a esperança nos homens com quem convivia outrora, deveria fazer a diferença entre a vida que aparentavam e as razões da mesma. Tudo isso deveria, pois, ser suportado sem desânimo. Então, de toda essa infelicidade e miséria, de toda essa sujidade e degradação, deveriamsurgir na minha mente não mais homens, mas miseráveis produtos de leis miseráveis. Por isso, a gravidade da luta pela vida que sustentei, evitou que eu capitulasse por mero sentimentalismo ante os pecos resultados desse processo de evolução.
Não, isso não deveria ser compreendido assim.
Já, naqueles tempos, eu havia chegado à conclusão de que só um caminho duplo poderia conduzir ao objetivo da melhoria dessa situação: um mais profundo sentimento de responsabilidade no sentido do estabelecimento de melhores bases para a nossa evolução, combinado isso com a brutal resolução de demolir todas as incorrigíveis excrescências.
Assim como a natureza concentra os seus maiores esforços não na conservação do que existe mas no cultivo do que cria, para continuação da espécie, assim também na vida humana trata-se menos de melhorar artificialmente o que há de mau - o que, pela natureza humana, em noventa e nove por cento dos casos é impossível - do que, desde o início, assegurar, por melhores métodos, a evolução das novas criações
Já durante a minha luta pela vida emViena, tornou-se evidente ao meu espírito que a atividade social nunca deverá ser vista como uma obra de proteção sem- finalidade e irrisória, mas sim na remoção de defeitos substanciais na organização de nossa vida econômica e cultural que possam concorrer para a degeneração dos indivíduos ou pelo menos para o seu desvio.
A dificuldade dessa maneira de proceder em face dos últimos e brutais meios contra os delitos dos inimigos do Estado, jaz justamente na incerteza do julgamento sobre os. motivos íntimos ou causas principais dos fenômenos contemporâneos.
Essa incerteza é fundada na convicção da culpa de cada um nessas tragédias do passado e inutiliza toda séria e firme resolução. Causa ao mesmo tempo, a fraqueza e a indecisão na execução até mesmo das mais necessárias medidas de conservação.
Quando um tempo vier não mais empanado pela sombra da consciência da própria culpabilidade, a conservação de si mesmo criará a tranqüilidade íntima, a força exterior, brutal e sem considerações, para matar os maus rebentos da erva ruim.
Como o Estado Austríaco praticamente desconhecia qualquer legislação social, sua incapacidade para o combate de morte aos maus germes saltava diante dos nossos olhos emtoda sua evidência.
Eu não sei o que naqueles tempos mais me horrorizava, se 'a miséria econômica dos meus camaradas, se a sua grosseria espiritual .e moral e o nível baixo de sua cultura.
Quantas vozes não se tomava de cólera a nossa burguesia, quando, da boca de algum miserável vagabundo, ouvia a declaração de que lhe era indiferente ser ou não alemão, contanto que ele tivesse a sua subsistência garantida.
Essa falta de orgulho nacional, é, então, censurada da maneira mais incisiva e a repulsa por um tal modo de sentir é expressa em termos enérgicos.
Quantos, porém, já se fizeram a pergunta sobre quais eram as causas de possuírem eles próprios melhores sentimentos?
Quantos compreendem a infinidade de recordações pessoais sobre a grandeza da pátria, da nação,' em todas as fronteiras da vida artística e cultural que lhes inspiram o justo orgulho de poderem pertencer a um povo tão favorecido?
Quantos pensam na dependência do orgulho nacional em relação ao conhecimento das grandezas da Pátria em todos esses domínios?
Refletem nossos círculos burgueses emque irrisória extensão esses motivos de orgulho nacional se apresentam ao povo?
Ninguém se desculpe como argumento de que em outros países a coisa não se passa de outra maneira e que, não obstante, o trabalhador orgulha-se da sua nacionalidade. Mesmo que isso fosse assim, não poderia servir como desculpa para a nossa própria negligência. Tal, porém, não se dá. O que nós sempre pintamos como uma educação chauvinística dos franceses, por exemplo, não é mais do que a exaltação das grandezas da França em todos os domínios da Cultura, ou da civilisation, como a denominam os nossos vizinhos.
O jovem francês não é educado para o objetivismo, mas para as opiniões subjetivas, que a gente só pode avaliar, quando se trata da significação das grandezas políticas ou culturais da sua pátria.
Essa educação terá que ser sempre restrita aos grandes e gerais pontos de vista que, se preciso, por meio de eterna repetição, se gravem na memória e nos sentimentos do povo.
Entre nós, aos erros por omissão, junta-se ainda a destruição do pouco que o indivíduo tem a felicidade de aprender na escola. O envenenamento político do nosso povo elimina ainda esse pouco do coração e da memória das vastas massas, quando a necessidade e os sofrimentos já não o tinham feito.
Pense-se no seguinte.
Em um alojamento subterrâneo, composto de dois quartos abafados, mora uma família proletária de sete pessoas. Entre os cinco filhos, suponhamos um de três anos. É esta a idade em que a consciência da criança recebe as primeiras impressões. Entre os mais dotados encontra-se, mesmo na idade madura, vestígio da lembrança desse tempo. O espaço demasiado estreito para tanta gente não oferece condições vantajosas para a convivência. Brigas e disputas, só por esse motivo, surgirão freqüentemente. As pessoas não vivem umas com as outras, mas se comprimem umas contra as outras. Todas as divergências, sobretudo as menores, que, nas habitações espaçosas, podem ser sanadas por um ligeiro isolamento, conduzem aqui a repugnantes e intermináveis disputas. Para as crianças isso é ainda suportável. Em tais situações, elas brigam sempre e esquecem tudo depressa e completamente. Se, porém, essa luta se passa entre os pais, quase todos os dias, e de maneira a nada deixar a desejar em matéria de grosseria, o resultado de uma tal lição de coisas faz-se sentir entre as crianças. Quem tais meios desconhece dificilmente pode fazer uma idéia do resultado dessa lição objetiva, quando essa discórdia recíproca toma a forma de grosseiros desregramentos do pai para com a mãe e até de maus tratos nos momentos de embriaguez. Aos seis anos, já o jovem conhece coisas deploráveis, diante das quais até um adulto só horror pode sentir. Envenenado moralmente, mal alimentado, com a pobre cabecinha cheia de piolhos, o jovem cidadão entra para a escola.
A custo ele chega a ler e escrever. Isso é quase tudo. Quanto a aprender em casa, nem se fale nisso. Até na presença dos filhos, mãe e pai falam da escola de tal maneira que não se pode repetir e estão sempre mais prontos a dizer grosserias do que pôr os filhos nos joelhos e dar-lhes conselhos. O que a criança ouve emcasa não é de molde a fortalecer o respeito às pessoas com que vai conviver. Ali nada de bom parece existir na humanidade; todas as instituições são combatidas, desde o professor até às posições mais elevadas do Estado. Trata-se de religião ou da moral em si, do Estado ou da sociedade, tudo é igualmente ultrajado da maneira mais torpe e arrastado na lama dos mais baixos sentimentos. Quando o rapazinho, apenas com quatorze anos, sai da escola, é difícil saber o que é maior nele: a incrível estupidez no que diz respeito a conhecimentos reais ou a cáustica imprudência de suas atitudes, aliada a uma amoralidade que, naquela idade, faz arrepiar os cabelos.
Esse homem, para quem já quase nada é digno de respeito, que nada de grande aprendeu a conhecer, que, ao contrário, conhece todas as vilezas humanas, tal criatura, repetimos, que posição poderá ocupar na vida, na qual ele está à margem?
De menino de treze anos ele passou, aos quinze, a um desrespeitador de toda autoridade.
Sujidade e mais sujidade, eis tudo o que ele aprendeu. E isso não é de molde a estimulá-lo a mais elevadas aspirações.
Agora entra ele, pela primeira vez, na grande escola da vida.
Então começa a mesma existência que nos anos da - meninice ele aprendeu de seus pais. Anda para cima e para baixo, entra em casa Deus sabe quando, para variar bate ele mesmo na alquebrada criatura que foi outrora sua mãe, blasfema contra Deus e o mundo e, enfim, por qualquer motivo especial, é condenado e arrastado a uma prisão de menores.
Lá recebe ele os últimos polimentos.
O mundo burguês admira-se, no entanto, da falta de entusiasmo nacional deste jovemcidadão.
A burguesia vê, como no teatro e no cinema, no lixo da literatura e na torpeza da imprensa, dia a dia, o veneno se derramar sobre o povo, em grandes quantidades, e admira-se ainda do precário valor moral, da indiferença nacional da massa desse povo, como se a sujeira da imprensa e do cinema e coisas semelhantes pudessem fornecer base para o conhecimento das grandezas da Pátria, abstraindo-se mesmo a educação individual anterior. Pude então bem compreender a seguinte verdade, em que jamais havia pensado:
O problema da nacionalização de umpovo deve começar pela criação de condições sociais sadias como fundamento de uma possibilidade de educação do indivíduo. Somente quem, pela educação e pela escola, aprende a conhecer as grandes alturas, econômicas e, sobretudo, políticas da própria Pátria, pode adquirir e adquirirá, certamente, aquele orgulho íntimo de pertencer a um tal povo. Só se pode lutar pelo que se ama, só se pode amar o que se respeita e respeitar o que pelo menos se conhece.
Logo que o interesses pela questão social foi em mim despertado, comecei a estudá-la profundamente. Aos meus olhos surgia um novo mundo até então desconhecido.
No ano de 1909 para 1910, minha própria situação modificou se um pouco porque não precisava mais ganhar o pão de cada dia como ajudante de operário. Já trabalhava, por minha conta, como desenhista e aquarelista. Continuava a ganhar muito pouco - o essencial para viver - mas em compensação tinha lazeres para aperfeiçoar-me na profissão que havia escolhido. Já não entrava em casa, à noite, como antigamente, cansado ao extremo, incapaz de parar a vista em um livro sem adormecer dentro de pouco tempo. Meu trabalho de agora corria paralelo com a minha profissão artística. Podia, então, como senhor do meu próprio tempo, dividi-lo melhor do que antes.
Eu pintava para ganhar o pão e estudava por prazer.
Assim foi possível às minhas observações sobre a questão social juntar o complemento teórico indispensável. Eu estudava quase tudo que sobre esse assunto se podia assimilar emlivros, dando assim às minhas próprias idéias base mais sólida.
Creio que os que comigo conviviam naquele tempo tinham-me por um tipo esquisito.
Era natural que eu, com ardor, satisfizesse à minha paixão pela arquitetura. Ao lado da música, a arquitetura me parecia a rainha das artes. Minha atividade, em tais condições, não era um trabalho, mas um grande prazer. Podia ler ou desenhar até tarde da noite, semcansar-me absolutamente. Assim fortalecia-se a convicção de que o meu belo sonho, depois de longos anos, transformar-se-ia em realidade. Estava inteiramente convencido de um dia conquistar um nome como arquiteto.
Não me parecia muito significativo que eu também tivesse o maior interesse por tudo que se relacionasse com a política. Ao contrário, isso era, em minha opinião, um dever natural de cada ser pensante. Quem nada entende de política perde o direito a qualquer critica, a qualquer reivindicação.
Também sobre esse assunto li e aprendi muito.
Sob o nome de leitura, concebo coisa muito diferente do que pensa a grande maioria dos chamados intelectuais.
Conheço indivíduos que lêem muitíssimo, livro por livro letra por letra, e que, no entanto, não podem ser apontados como lidos. Eles possuem uma multidão de conhecimentos, mas o seu cérebro não consegue executar uma distribuição e um registro do material adquirido. Falta-lhes a arte de separar, no livro, o que lhes é de valor e o que é inútil, conservar para sempre de memória o que lhes interessa e, se possível, passar por cima, desprezar o que não lhes traz vantagens, em qualquer hipótese não conservar consigo esse peso sem finalidade. A leitura não deve ser vista como finalidade, mas sim como meio para alcançar uma finalidade. Em primeiro lugar, a leitura deve auxiliar a formação do espírito, a despertar as disposições intelectuais e inclinações de cada um. Em seguida, deve fornecer o instrumento, o material de que cada um tem necessidade na sua profissão, tanto para o simples ganha-pão como para a satisfação de mais elevados desígnios. Em segundo lugar, deve proporcionar uma idéia de conjunto do mundo. Em ambos os casos, é, porem,necessário que o conteúdo de qualquer leitura não seja confiado à guarda da memória na ordem de sucessão dos livros, mas como pequenos mosaicos que, no quadro de conjunto, tomem o seu lugar na posição que lhes é destinada, assim auxiliando a formar este quadro no cérebro do leitor. De outra maneira, resulta um bric-á-brac de matérias aprendidas de cor, inteiramente inúteis, que transformam o seu infeliz possuidor em um presunçoso, seriamente convencido de ser um homem instruído, de entender alguma coisa da vida, de possuir cultura, ao passo que a verdade é que, a cada acréscimo dessa sorte de conhecimentos, mais se afasta do mundo, até que acaba em um sanatório ou, comopolítico, em um parlamento.
Nunca um cérebro assim formado conseguirá, da confusão de sua ciência, retirar o que é apropriado às exigências de determinado momento, pois seu lastro espiritual está arranjado não na ordem natural da vida mas na ordem de sucessão dos livros, como os leu e pela maneira por que amontoou os assuntos no cérebro. Quando as exigências da vida diária dele reclamam o justo emprego do que outrora aprendeu então precisará mencionar os livros e o número das páginas e, pobre infeliz, nunca encontrará exatamente o que procura.
Nas horas críticas, esses sábios, quando se vêem na dolorosa contingência de pesquisar casos análogos para aplicar às circunstâncias, só descobrem receitas falsas.
Não fosse assim e não se poderiam conceber os atos políticos dos nossos sábios heróis do Governo que ocupam as mais elevadas posições, a menos que a gente se decidisse a aceitar as suas soluções não como conseqüências de disposições intelectuais patológicas, mas como infâmias e trapaçarias.
Quem possui, porém, a arte da boa leitura, ao ler qualquer livro, revista ou brochura, dirigirá sua atenção para tudo o que, no seu modo de ver, mereça ser conservado durante muito tempo, quer porque seja útil, quer porque seja de valor para a cultura geral.
O que por esse meio se adquire encontra sua racional ligação no quadro sempre existente que a representação desta ou daquela coisa criou, e corrigindo ou reparando, realizará a justeza ou a clareza do mesmo. Se qualquer problema da vida se apresenta para exame ou contestação, a memória, por esta arte de ler, poderá recorrer ao modelo do quadro de percepção já existente, e por ele todas as contribuições coligidas durante dezenas de anos e que dizem respeito a esse problema são submetidas a uma prova racional e ao nosso exame, até que a questão seja esclarecida ou respondida.
Só assim a leitura tem sentido e finalidade.
Um leitor, por exemplo, que, por esse meio, não fornecer à sua razão os fundamentos necessários, nunca estará na situação de defender os seus pontos de vista ante uma contradita, correspondam os mesmos mil vezes à verdade. Em cada discussão a memória o abandonará desdenhosamente. Ele não encontrará razões nem para o fortalecimento de suas afirmações, nem para a refutação das idéias do adversário. Enquanto isso acarreta, como no caso de um orador o ridículo da própria pessoa, ainda se pode tolerar; de péssimas conseqüências é, porém, que esses indivíduos que sabem tudo e não são capazes de coisa alguma, sejam colocados na direção de um Estado.
Muito cedo esforcei-me por ler por aquele processo e fui, da maneira mais feliz, auxiliado pela memória e pela razão. Observadas as coisas por esse aspecto, foi me fecundo e proveitoso, sobretudo o tempo que passei em Viena. A experiência da vida diária servia de estímulo para sempre novos estudos dos mais diversos problemas. Quando eu, por fim, cheguei à situação de poder fundamentar a realidade na teoria e tirar a prova da teoria na experiência, na prática, estava em condições de evitar o excesso de apego à teoria, ou descer demais à realidade.
Assim, a experiência da vida diária, nesse tempo, em dois dos mais importantes problemas, além do social, tornou-se definitiva e serviu de estimulante para sólido estudo teórico.
Quem sabe se eu algum dia me teria aprofundado na teoria e na vida do marxismo, se, outrora, eu não tivesse quebrado a cabeça com esse problema? O que eu, na minha mocidade, conhecia sobre a social democracia era muito pouco e muito errado.
Causava-me intenso prazer que a social democracia dirigisse a luta pelo direito do voto secreto e universal. A minha razão já me dizia, porém, que essa conquista deveria levar a um enfraquecimento do regime dos Habsburgos, por mim já tão odiado.
Na convicção de que o Estado danubiano nunca se manteria sem o sacrifício do espírito alemão, e que o mesmo prêmio de uma lenta eslavização do elemento germânico de modo algum ofereceria garantia de um governo verdadeiramente viável, pois a força criadora do Estado dos eslavos é muito hipotética, via eu com prazer todo movimento que, na minha imaginação, poderia contribuir para o desmembramento desse Estado de dez milhões de alemães, inviável e condenado à morte. Quanto mais o palavrório corroía o parlamento, mais próximo deveria estar a hora da ruína desse Estado babilônico e com ela também a hora da libertação dos meus compatriotas austro-alemães. Só assim se poderia voltar à antiga anexação à mãe-pátria.
Por isso, a atividade da social-democracia não me parecia antipática. Como esse movimento se preocupava em melhorar as condições vitais do operariado - como eu acreditava na minha ingenuidade de outrora - pareceu-me melhor falar a seu favor do que contra. O que mais me afastava da social-democracia era sua posição de adversária em relação ao movimento pela conservação do espírito germânico, a deplorável inclinação emfavor dos camaradas eslavos que só aceitavam esse alerta quando era acompanhado de concessões práticas, repelindo-o, arrogantes e orgulhosos, quando não viam interesses. Davam, assim, ao importuno mendigo a paga merecida.
Na idade de dezessete anos, a palavra marxismo era-me pouco conhecida, enquantosocialismo e social-democracia pareciam-me concepções idênticas. Foi preciso, também, nesse caso, que o punho forte do destino me abrisse os olhos para essa maldita maneira de ludibriar o povo.
Até então eu só tinha contato com a social-democracia como observador em algumas demonstrações coletivas, sem possuir nenhuma idéia da mentalidade de seus adeptos ou da essência da doutrina. De repente. pude sentir os efeitos de sua doutrinação e de sua maneira de encarar o mundo. O que, talvez só depois de dezenas de anos, tivesse acontecido, aprendi agora no decurso de poucos meses, isto é, a verdadeira significação de uma peste ambulante sob a máscara de virtude social e amor ao próximo e da qual se deve depressa libertar a terra, pois, ao contrário, muito facilmente a humanidade será por ela imolada.
No serviço de construções teve lugar o meu primeiro encontro com os sociais-democratas. Logo de começo, não foi muito agradável. Minhas roupas ainda estavam emordem, minha linguagem era cuidada, minha vida comedida. Tinha tanto que lutar com a minha sorte que pouco podia cuidar do que mecercava. Só procurava trabalho para não passar fome e para ter a possibilidade de continuar, mesmo lentamente, a minha educação. Talvez eu não me tivesse absolutamente preocupado com o novo meio em que me achava, se, 1á no terceiro ou quarto dia, não se tivesse dado um fato que me forçou a tomar imediatamente uma posição definida: fui intimado a entrar no sindicato.
Meus conhecimentos sobre organização sindical eram então quase nulos. Nem a sua utilidade nem a sua inutilidade podia eu aquilatar. Quando me esclareceram que eu deveria entrar, recusei-me. Fundamentava a minha resolução com a razão de que eu não entendia do assunto e que, sobretudo, não me deixava levar à força para parte alguma. Talvez fosse a primeira a razão por que não me puseram imediatamente na rua. Talvez esperassem que,
dentro de alguns dias, eu estivesse convertido ou pelo menos mais dócil.
Haviam-se enganado radicalmente.
Depois de quatorze dias, eu não poderia mais entrar para osindicato, mesmo que o tivesse desejado. Nestes quatorze dias, pude conhecer de mais perto os que me cercavam, de modo que nenhuma força do mundo poderia mais arrastar-me a uma organização, cujos esteios me apareceram sob uma luz tão desfavorável.
Nos primeiros dias fiquei indignado. Ao meio-dia, uma parte dos operários ia para a estalagem próxima, enquanto a outra ficava no local da- construção e aí tinha o seu magro almoço. Estes eram casados, para os quais as mulheres, em miseráveis vasilhas, traziam a sopa do meio-dia. Para o fim da semana, o número desses era sempre maior. A razão disso só mais tarde compreendi.
Então conversava-se política.
Eu bebia minha garrafa de leite e comia o meu pedaço de pão, conservando-me sempre afastado, e estudava com atenção meus novos conhecidos ou refletia sobre a minha triste sorte. Não obstante isso, ouvia mais do que o suficiente. Pareceu-me freqüentemente que se aproximavam de mim de propósito para meforçarem a tomar uma posição. Em todo caso, como vim a saber, isso visava o efeito de me provocar.
Ali tudo se negava: a nação era uma invenção das classes capitalistas (que número infinito de vezes ouvi essa palavra!); a Pátria era um instrumento da burguesia para exploração das massas trabalhadoras; a autoridade da lei era simples meio de opressão do proletariado; a escola era instituto de cultura do material escravo e mantenedor da escravidão; a religião era vista como meio de atemorizar o povo para melhor exploração do mesmo; a moral não passava de uma prova da estúpida paciência de carneiro do povo. Não havia nada, por mais puro, que não fosse arrastado na lama mais asquerosa.
De começo, tentei manter-me em silêncio. Por fim, não podia mais. Comecei a tomar posição, comecei a contraditar. Então passei a compreendei- que essa oposição de nada valia, enquanto eu não possuísse conhecimentos seguros sobre os pontos debatidos. Comecei a pesquisar nas próprias fontes, de onde eles extraíam a sua fictícia sabedoria. Li livros sobre livros, brochuras sobre brochuras. No local do serviço, as coisas chegavam freqüentemente à exaltação. Eu discutia cada vez melhor, até que um dia foi empregado ummeio que facilmente levava de vencida a razão: o terror, a força. Alguns dos defensores do lado contrário intimaram-me a abandonar a construção imediatamente ou a ser jogado do andaime. Como estava sozinho e a resistência seria impossível, preferi seguir o primeiro alvitre, adquirindo assimmais uma experiência.
Saí, enojado, mas, ao mesmo tempo, tão impressionado que já agora seria inteiramente impossível para mim abandonar a questão. Não. Depois da eclosão da primeira revolta, a obstinação de novo venceu. Estava firmemente resolvido a voltar, apesar de tudo para outro serviço de construção. Essa decisão foi fortalecida pela situação precária em que me encontrei algumas semanas mais tarde, depois de gastar as pequenas economias. Não merestava outra saída, quer eu quisesse quer não. E cena idêntica desenrolou-se, para acabar da mesma forma que a primeira.
Travou-se uma luta no meu íntimo, que se define nesta pergunta: isso é gente digna de pertencer a um grande povo?
Eis uma pergunta angustiosa. Se a respondermos afirmativamente, a luta por uma nacionalidade merecerá os trabalhos e os sacrifícios que os melhores fazem por um tal rebotalho? Se a resposta for negativa, então o nosso povo já está muito pobre em homens.
Com desânimo inquietador via eu, naqueles dias críticos e atormentados, a massa, que já não pertencia a seu povo, tornar-se um exército ameaçador.
Com que sentimentos diferentes fitava, então, as filas semfim dos trabalhadores vienenses em um dia de demonstração coletiva! Durante quase duas horas, de pé, um dia, observei, com a respiração suspensa, a monstruosa onda humana que rolava lentamente. Tomado de um desânimo inquieto, abandonei a praça e dirigi-me para casa. No caminho, vi em uma tabacaria o Arbeiterzeitung, órgão central da antiga social-democracia. Em umcafé popular, que eu freqüentava constantemente a fim de ler os jornais, esse periódico também era exposto à venda. Eu não podia, porém, fazer o sacrifício de passar uma vista por mais de dois minutos na folha infame, que, para mim, tinha o efeito do vitríolo.
Debaixo da acabrunhadora impressão que a demonstração coletiva havia produzido,senti uma voz íntima que me incitava a comprar o jornal e lê-lo inteiramente. À noite tratei disso, vencendo a crescente repulsa que sempre experimentava ao ver essa torneira de mentiras concentradas. Melhor do que em toda a literatura teórica, pude, pela leitura diária da imprensa social-democrática, estudar a essência do movimento e o curso das suas idéias.
Que diferença entre as cintilantes frases de liberdade, beleza e dignidade da literatura teórica, entre o fogo-fátuo do palavrório que, laboriosamente, aparenta a mais profunda e irresistível sabedoria, pregada com uma segurança profética, e a brutal virtuosidade da mentira da imprensa diária que trabalhava pela salvação da nova humanidade sem recuar ante nenhuma objeção, usando de todos os recursos da calúnia!
Uma é destinada aos estúpidos das camadas intelectuais médias e superiores, a outra às massas.
A meditação sobre a literatura e a imprensa dessa doutrinação, servia-me para descobrir de novo a minha gente.
O que, a princípio, me parecia um abismo intransponível, devia tornar-se motivo para amar cada vez mais o meu povo.
Só um louco poderia, depois de conhecer esse monstruoso trabalho de envenenamento, condenar ainda as vítimas do mesmo. Quanto mais independente eu me tornava nos anos seguintes, tanto mais longe alcançava a minha vista as causas íntimas do êxito da socialdemocracia. Então compreendendo a significação da exigência brutal feita ao operário para só ler jornais vermelhos, só freqüentar assembléias vermelhas, só ler livros vermelhos, etc., vi, muito claro, os efeitos violentos dessa doutrinação da intolerância.
A psique das massas é de natureza a não se deixar influenciar per meias medidas, por atos de fraqueza.
Assim como as mulheres, cuja receptividade mental é determinada menos por motivos de ordem abstrata do que por uma indefinível necessidade sentimental de uma força que as complete e, que, por isso preferem curvar-se aos fortes a dominar os fracos, assim tambémas massas gostam mais dos que mandam do que dos que pedem e sentem-se mais satisfeitas com uma doutrina que não tolera nenhuma outra do que com a tolerante largueza do liberalismo. Elas não sabem o que fazer da liberdade e, por isso, facilmente sentem-se abandonadas.
A impudência do terrorismo espiritual passa-lhes despercebida, assim como os crescentes atentados contra a sua liberdade que as deveriam levar à revolta. Elas não se apercebem, de nenhum modo, dos erros intrínsecos dessa doutrinação. Elas vêem apenas a força incontrastável e a brutalidade de suas resolutas manifestações externas, ante as quais sempre se curvam.
Se uma doutrina que encerrasse mais inveracidade ao lado de idêntica brutalidade na propaganda, fosse oposta à social-democracia, triunfaria, do mesmo modo, por mais áspera que fosse a luta.
Em menos de dois anos, não só a doutrina da social-democracia mas também o seu emprego como instrumento prático, tornaram-se-me claros.
Eu compreendi o infame terror espiritual que esse movimento exerce especialmente sobre a burguesia.
A um dado sinal, os seus propagandistas lançam um chuveiro de mentiras e calúnias contra o adversário que lhes parece mais perigoso, até que se rompam os nervos dos agredidos que, para terem tranqüilidade, se rendem ao inimigo.
Mas é do destino dos tolos nunca alcançarem o sossego.
O jogo recomeça e repete-se inúmeras vozes, até que o pavor ante os monstros selvagens provoca uma significativa imobilidade do adversário.
Como a social democracia, por experiência própria, conhece muito bem o valor da força, lança-se mais violentamente contra aqueles em cuja individualidade descobre algumsistema de resistência. Por outro lado, incensa todos os fracos do lado oposto, a princípio cautelosamente e depois abertamente, conforme essas qualidades morais sejam reais ouimaginárias.
Eles receiam menos um gênio impotente e sem vontade do que uma natureza forte, mesmo intelectualmente modesta.
A social-democracia se recomenda sobretudo aos fracos de espírito e de caráter.
Esse partido sabe aparentar que só ele conhece o segredo da paz e tranqüilidade, enquanto, cautelosamente mas de maneira decidida, conquista uma posição depois da outra, ora por meio de discreta pressão, ora através de requintadas escamoteações em momentos em que a atenção geral está dirigida para outros assuntos, não quer por ele ser despertada ou tem a oportunidade comonão merecendo grande interesses ou receia provocar o perverso adversário.
Essa é uma tática que, tendo em conta exatamente tidas as fraquezas humanas, é coroada de êxito matemático, quando o adversário não aprende a usar gás venenoso contra gás venenoso, isto é, as mesmas armas do agressor.
É preciso que se diga às naturezas fracas que se trata de uma luta de vida ou de morte.
Não menos compreensível para mim tornou-se a significação do terror material emrelação aos indivíduos e às massas.
Aqui também havia um cálculo exato de atuação psicológica. O terror nos lugares de trabalho, nas fábricas, nos locais de reunião e por ocasião das demonstrações coletivas, era sempre coroado de êxito, enquanto um terror maior não se lhe opunha.
Quando acontece essa última hipótese, o partido, em gritos de pavor, embora habituado a desrespeitar a autoridade do Estado, em altos berros pedirá seu auxílio, para, na maioria dos casos, no meio da confusão geral, alcançar o seu verdadeiro objetivo, isto é: encontrar covardes autoridades que, na tímida esperança de poder de futuro contar com o temível adversário, auxiliem-no a combater o inimigo.
Que impressão um tal êxito exerce sobre o espírito das vastas massas e dos seus adeptos, assim como sobre o vencedor, só pode avaliar quem conhece a alma do povo, não através de livros mas pelo estudo da própria vida, pois, enquanto, no círculo dos vencedores, o triunfo alcançado é tido como uma vitória do direito de sua causa, o adversário batido, na maioria dos casos, duvida do êxito de uma outra resistência.
Quanto melhor eu conhecia os métodos da violência material, tanto mais me inclinava a desculpar as centenas de milhares de proletários que cediam ante a força bruta.
A compreensão desse fato devo principalmente aos meus antigos tempos de sofrimentos, os quais me fizeram entender o meu povo e fazer a diferença entre as vítimas e os seus condutores.
Como vítimas devem ser vistos os que foram submetidos a essa situação corruptora.Quando eu me esforçava por estudar, na vida real, a natureza íntima dessas camadas inferiores, não podia delas fazer uma idéia justa, sem a segurança de que, nesse meio, também encontrava qualidades recomendáveis, como sejam capacidade de sacrifício, fiel camaradagem, extraordinária sobriedade, discreta modéstia, virtudes essas muito comuns, sobretudo nos antigos sindicatos. Se é verdade que essas virtudes se diluíam cada vez mais nas novas gerações, sob a atuação das grandes cidades, incontestável é também que muitas conseguiam triunfar sobre as vilezas comuns da vida. Se esses homens, bons e bravos, na sua atividade política, entravam nas fileiras dos inimigos do nosso povo e a estes auxiliavam, era porque não compreendiam e nem podiam compreender a vileza da nova doutrina ou porque, em ultima ratio, as injunções sociais eram mais fortes do que todas as vontades em contrário. As contingências da vida a que, de um modo ou de outro, estavam fatalmente sujeitos, faziam-nos entrar no acampamento da social-democracia.
Como a burguesia, inúmeras vezes, da maneira mais inepta e também a mais imoral, fazia frente às mais justas aspirações coletivas, sem muitas vezes retirar ou esperar retirar qualquer proveito de uma tal atitude, mesmo o mais ordeiro trabalhador saia da organização sindical para tomar parte na atividade política.
Milhões de proletários, na intimidade, foram, sem dúvida, de começo, inimigos do partido social-democrático. Foram, porém, derrotados na sua oposição pela conduta idiota do partido burguês combatendo todas as reivindicações da massa dos trabalhadores.
A impugnação cega da burguesia a todos os ensaios por uma melhoria nas condições do trabalho, tais como um aparelhamento de defesa contra as máquinas, a proteção ao trabalho das crianças e a proteção da mulher, pelo menos nos últimos meses de gravidez, tudo isso auxiliou a social-democracia a pegar as massas nas suas redes. Esse partido sabia aproveitar todos os casos em que pudesse manifestar sentimentos de piedade para com os oprimidos. Nunca mais poderá a nossa burguesia política reparar os seus erros, pois, enquanto ela se opunha a todas as tentativas por uma remoção dos males sociais, semeava ódio e justificava mesmo as afirmações dos inimigos da nacionalidade, segundo as quais só o Partido Social Democrata defendia os interesses das classes produtoras.
Aí estão as razões morais da resistência dos sindicatos e os motivos por que prestaramos melhores serviços àquele partido político.
Nos meus anos de aprendizado em Viena fui forçado, quer quisesse quer não, a tomar posição no problema dos sindicatos.
Como eu os via como parte integral e indivisível do Partido Social Democrata, minha decisão foi rápida e falsa.
Como era natural, recusei-me a entrar para o sindicato.
Também nesta importante questão foi a vida real que me serviu de mestre.
O resultado foi uma reviravolta nos meus primeiros julgamentos.
Aos vinte anos, já fazia a diferença entre o sindicato como meio de defesa dos direitos sociais dos empregados e de luta pela melhoria das condições de vida dos mesmos e o sindicato como instrumento do partido na luta política de classes.
Como a social-democracia compreendeu a enorme significação do movimento sindicalista, assegurou para si a colaboração desse instrumento e dai o seu êxito; como a burguesia não a compreendeu, isso lhe custou a sua posição política. Na sua teimosa oposição, imaginou a burguesia fazer parar uma evolução fatal e, na realidade, conseguiu apenas forçá-la a tomar um caminho ilógico. Dizer-se que o movimento sindical em si é inimigo da Pátria é uma idiotice, e alémdisso, uma inverdade. O contrário é que é a verdade. Se uma atividade sindical tem como objetivo a melhoria de uma classe que constitui uma das colunas mestras da nação e se esforça por realizá-lo, essa atividade não só não se exerce contra a Pátria e o Estado mas, no verdadeiro sentido da palavra, consulta os interesses nacionais. É fora de qualquer dúvida que essa atuação auxilia a criar programas sociais, sem o que nem se deve pensar em uma educação nacional coletiva. Esse movimento atinge seu maior mérito quando, pelo combate aos cancros sociais existentes, ataca as causas das moléstias do corpo e do espírito, contribuindo para a conservação da saúde do povo. É ociosa a discussão sobre as vantagens dessas agitações.
Enquanto, entre os que distribuírem trabalho, houver homens que não compreendam a questão social ou possuam idéias erradas de direito e de justiça, é não só direito mas dever dos por eles empregados, - que aliás formam uma parte do nosso povo - proteger os interesses da quase totalidade contra a avidez ou a irracionalidade de poucos, pois a manutenção da fé na massa do povo é para o bem-estar da nação tão importante quanto a conservação da sua saúde.
Ambos esses interesses serão seriamente ameaçados pelos indignos empregadores que não têm os mesmos sentimentos da coletividade, de que vivem divorciados. Devido à sua condenável atitude, inspirada na ambição ou na intransigência, nuvens ameaçadoras anunciam tempestades futuras.
Remover as causas de uma tal evolução é conquistar um mérito em relação à Pátria. Agir ao contrário é trabalhar contra os interesses da nação.
Não se diga que cada um tem independência suficiente para tirar todas as conclusões das injustiças reais ou fictícias que lhe são feitas. Não, isso é hipocrisia e deve ser visto como tentativa para desviar a atenção das soluções justas.
A alternativa é a seguinte: evitar acontecimentos nocivos à coletividade consulta ou não os interesses da nação? Na primeira hipótese, a luta deve ser aceita com todas as armas que possam assegurar o triunfo.
O trabalhador, individualmente, não está nunca em condições de empenhar-se, comêxito, em uma luta contra o poder do grande empregador. Nesse conflito não se trata do problema da vitória do direito. Se assim fosse, o simples reconhecimento desse direito faria cessar toda luta, pois desapareceria, em ambas as partes, o desejo de combater. Trata-se, porém, de uma questão de força. Naquele caso, o sentimento de justiça por si só faria terminar a luta de modo honroso, ou melhor, nunca se chegaria a ela. Se atos indignos ou contrários aos interesses sociais arrastam à -reação, a luta só poderá ser decidida em favor do lado mais forte, salvo se a justiça se dispuser à solução desses males.
Além disso, é evidente que o empregador, apoiado na força concentrada de suas empresas, terá que enfrentar o corpo de empregados, se não quiser ser compelido a perder, desde o início, qualquer esperança de vitória.
Assim a organização sindical pode produzir o fortalecimento dos ideais sociais por unia atuação mais prática e, com isso, o afastamento de causas de irritação que sempre dão motivo a descontentamentos e a queixas. Se isso não acontece deve-se em grande parte àqueles que a todas as soluções legais das dificuldades do povo julgam opor obstáculos ou impedi-las por meio de sua influência política.
Enquanto a burguesia não compreendia a significação da organização sindical, ou, melhor, não queria entendê-la, e insistia emfazer-lhe oposição, a social-democracia punhase ao lado do movimento combatido.
Vendo longe, ela criou para si uma base firme que nos momentos críticos, já lhe havia servido de último esteio. A verdade, porém, é que a antiga finalidade era, pouco a pouco, abandonada, para dar lugar a outros objetivos.
A social-democracia nunca pensou emsolucionar os problemas reais do movimento profissional.
Em poucas décadas, nas mãos espertas da social-democracia, o movimento sindical de instrumento de defesa dos direitos sociais passou a ser instrumento de destruição da economia nacional.
Os interesses dos trabalhadores não deveriam em nada obstar a sua ação, pois, politicamente, o emprego de meios de compressão econômica sempre permite a extorsão e
o exercício de violências a toda hora, sempre que, de um lado, há a necessária falta de escrúpulos e, do outro, a suficiente estupidez junta a uma paciência de cordeiro. E isso acontece nos dois campos em luta.
Já no começo deste século o movimento sindical, de há muito, havia deixado de servir ao seu objetivo de outrora.
De ano a ano, ele, cada vez mais, caía nas mãos dos políticos da social-democracia, para, por fim, ser utilizado apenas como pára-choque na luta de classes. Em conseqüência de permanentes conflitos deveria, finalmente, levar à ruína toda a organização econômica, pacientemente construída, arrastando o edifício do Estado à mesma sorte, pela destruição de suas fundações econômicas.
Cogitava-se cada vez menos da defesa de todos os interesses reais do proletariado, até chegar-se à conclusão de que a prudência política considerava como não aconselhável melhorar as condições sociais e culturais das grandes massas, pois, ao contrário, corria-se o perigo de que essas, tendo seus desejos satisfeitos, não mais poderiam ser eternamente utilizadas como tropas de combate facilmente manejáveis.
Essa evolução atemorizou de tal maneira os guias da luta de classes que eles, por fim, se opuseram a todas as salutares reformas sociais e, da maneira mais decidida, tomaramposição de combate às mesmas.
Na justificação dos fundamentos dessa atitude negativa e incompreensível nada deviamrecear.
No campo burguês estava se escandalizado com essa visível falta de sinceridade da tática da social democracia, sem que, porém, dai se tirassem as mínimas conclusões para um acertado plano de ação. Justamente o receio da social-democracia diante de cadamelhoria real da situação do proletariado em relação à profundidade de sua até então miséria cultural e social, talvez tivesse concorrido a arrancar esse instrumento das mãos dos representantes de classes
Isso não aconteceu, porém. Em vez de tomar a ofensiva, a burguesia deixou apertar-se cada vez mais o cerco em torno de si para, enfim, adotar providências inadequadas que, por muito tardias, tornaram-se sem eficiência, e, por isso mesmo, eram facilmente repelidas. Assim ficou tudo como antes, apenas o descontentamento tornou-se cada vez maior.
Os sindicatos independentes, como uma nuvem tempestuosa, obscureciam o horizonte político, ameaçando também a existência dos indivíduos. Essas organizações se transformaram no mais temível instrumento de terror contra a segurança e independência da economia nacional, a solidez do Estado e a liberdade dos indivíduos.
Foram eles, sobretudo, que transformaram a concepção da democracia em uma frase asquerosa e ridícula, que profanava a liberdade e escarnecia, de maneira imperecível, da fraternidade, nesta proposição: Se não quiseres ser dos nossos, nós te arrebentaremos a
cabeça.
Assim começava eu a conhecer esses inimigos do gênero humano.
No decurso dos anos, a opinião sobre eles desenvolveu-se e aprofundou-se, semmodificar-se, porém.
Quanto mais eu estudava o aspecto exterior da social-democracia, tanto mais crescia o desejo de penetrar na estrutura íntima dessa doutrina.
A literatura oficial do Partido de pouca utilidade me poderia ser na realização desse objetivo. Ela é, no que diz respeito a questões econômicas, falsa nas suas afirmações e conclusões e mentirosa quanto à finalidade política.
Daí a razão por que eu me sentia, de coração, afastado dos novos modos de expressão da eterna rabulice política e da sua maneira de descrever as coisas.
Com um inconcebível luxo de palavras de significação obscura, gaguejavam sentenças que deveriam ser ricas de pensamento como eram falhas de senso.
Só a decadência dos nossos intelectuais das grandes cidades poderia, neste labirinto da razão, sentir-se confortavelmente, para, no nevoeiro deste dadaismo literário, compreender a vida íntima, apoiado na proverbial inclinação de uma parte do nosso povo, para sempre farejar a sabedoria profunda no meio dos paradoxos pessoais.
Enquanto eu, na realidade de suas demonstrações, pesava todas as mentiras e desatinos teóricos dessa doutrina, chegava, pouco a pouco, a uma compreensão mais clara da sua vontade.
Nestas horas apoderavam-se de mim idéias tristes e maus presságios. Vi diante de mimuma doutrina, constituída de egoísmo e de ódio, que, por leis matemáticas, poderá ser levada à vitória mas arrastará a humanidade à ruína.
Nesse ínterim, eu já tinha compreendido a ligação entre essa doutrina de destruição e o caráter de uma certa raça para mim até então desconhecida.
Só o conhecimento dos judeus ofereceu-me a chave para a compreensão dos propósitos íntimos e, por isso, reais da social-democracia. Quem conhece este povo vê cair-se-lhe dos olhos o véu que impedia descobrir as concepções falsas sobre a finalidade e o sentido deste partido e, do nevoeiro do palavreado de sua propaganda, de dentes arreganhados, vê aparecer a caricatura do marxismo.
Hoje é-me difícil, senão impossível, dizer quando a palavra judeu pela primeira vez foi objeto de minhas reflexões. Na casa paterna, durante a vida de meu pai, não me lembro de tê-la ouvido. Creio que ele já via nessa palavra a expressão de uma cultura retrógrada. No curso de sua vida, ele chegou a uma concepção mais ou menos cosmopolita do mundo combinada a um nacionalismo radical que, também, exercia seus efeitos sobre mim.
Na escola também não encontrei oportunidade que me pudesse levar a uma modificação desse modo de encarar as coisas, que me havia transmitido meu pai.
É verdade que, na escola profissional, eu havia conhecido um jovem judeu que era tratado por nós com certa prevenção, mas isso somente porque não tínhamos confiança nele, devido ao seu todo taciturno e a vários fatos que nos haviam escarmentado. Nem a mim nem aos outros despertou isso quaisquer reflexões.
Só dos meus quatorze para os quinze anos deparei freqüentemente com a palavra judeu, ligada em parte a conversas sobre assuntos políticos. Sentia contra isso uma ligeira repulsa e não podia evitar essa impressão desagradável que, aliás, sempre se apoderava de mimquando discussões religiosas se travavam na minha presença.
Nesse tempo eu não via a questão sob qualquer outro aspecto.
Em Linz havia muito poucos judeus. Como decorrer dos séculos, o aspecto do judeu se havia europeizado e ele se tornara parecido comgente. Eu os tinha por alemães, Não me era possível compreender o erro desse julgamento, porque o único traço diferencial que neles via era o aspecto religioso diferente do nosso. Minha condenação a manifestações contrárias a eles, a perseguição que se lhes movia, por motivos de religião como eu acreditava, levavam-me à irritação, Eu não pensava absolutamente na existência de um plano regular de combate aos judeus.
Com essas idéias vim para Viena.
Absorvido pela avalancha de impressões que a arquitetura despertava, abatido pelo peso da minha própria sorte, eu não tinha olhos para observar a estrutura da população da grande cidade.
Embora Viena, já naquele tempo, possuísse duzentos mil judeus em uma população de dois milhões, não me apercebi desse fato. Nas primeiras semanas, os meus sentidos não puderam abarcar o conjunto de tantos valores e idéias novas. Só depois que, pouco a pouco, a serenidade voltou e as imagens confusas dos primeiros tempos começaram a esclarecer-se, é que mais acuradamente pude ver em torno de mim o novo mundo que me cercava e, então, deparei também com o problema judaico.
Não quero afirmar que a maneira por que eu os conheci me tenha sido particularmente agradável. Eu só via no judeu o lado religioso. Por isso, por uma questão de tolerância, considerava injusta a sua condenação por motivos religiosos. O tom, sobretudo da imprensa anti-semítica de Viena, parecia me indigno das tradições de cultura de um grande povo, Causava-me mal-estar a lembrança de certos fatos da Idade Média, cuja reprodução não desejava ver. Como esses jornais não valiamgrande coisa - e a razão disso eu então não conhecia - via neles mais o produto de mesquinha inveja do que o resultado de uma questão de princípios, embora falsos.
Fortaleci-me nessa maneira de pensar pela forma infinitamente mais digna (assimpensava eu então) por que a grande imprensa respondia a todos esses ataques ou - o que meparecia de mais mérito ainda pelo silêncio de morte em que se mantinha.
Lia com fervor a chamada grande imprensa (Neue Freie Presse, Wiener Tageblatt, etc.) e ficava admirado ante a extensão dos assuntos que oferecia ao leitor assim como diante da objetividade das suas manifestações em cada caso particular. Apreciava o seu estilo elegante, distinto. Os exageros de forma não me agradavam, chocavam-me.
Porque eu tenha visto Viena assim, apresento como desculpa o esclarecimento que medei a mim mesmo.
O que repetidamente me causava repugnância era a maneira indigna pela qual a imprensa bajulava a corte.
Não havia acontecimento na corte que não fosse comunicado aos leitores em tom do mais intenso entusiasmo ou da mais lamurienta consternação, prática essa que, mesmo tratando-se do mais sábio monarca de todos os tempos, podia ser comparada aos excessos incontidos de um galo silvestre.
Isso me parecia exagerado e era por mim visto como uma mancha para a Democracia liberal.
Pretender as graças desta corte e de maneira tão indigna era o mesmo que trair a dignidade da nação.
Esta foi a primeira sombra que devia perturbar as minhas afinidades espirituais com a grande imprensa de Viena.
Como sempre, também em Viena, eu acompanhava todos os acontecimentos da Alemanha com o maior ardor, quer se tratasse de questões políticas ou de problemas culturais.
Com uma admiração a que se juntava o maior orgulho, eu comparava a elevação doReich com a decadência do Estado austríaco, Enquanto os acontecimentos da política externa, na sua maior parte, provocavam geral contentamento, a política interna freqüentemente dava margem a sombrias aflições. A campanha que, naquele tempo, semovia contra Guilherme II, não tinha a minha aprovação, Nele eu não via só o Imperador dos Alemães mas também o criador da frota alemã. A imposição feita pelo Reichstag de não permitir ao Kaiser fazer discursos indignava-me de modo tão extraordinário, porque essa proibição partia de uma fonte que, aos meus olhos, nenhuma autoridade possuía, atendendo a que, em um só período de sessão, esses gansos do parlamento haviamgrassitado mais idiotices do que o poderia fazer, durante séculos, uma inteira dinastia de imperadores, dado o seu muito menor número.
Eu me encolerizava com o fato de, em um país em que qualquer imbecil não só reivindicava para si o direito de crítica mas, no Parlamento, tinha até a permissão de decretar leis para a Pátria, o detentor da coroa imperial pudesse receber admoestações da mais superficial das instituições de palavrório de todos os tempos.
Irritava-me ainda mais com o fato de ver que a mesma imprensa vienense que, diante de um cavalo da corte, se desfazia nas mais respeitosas mesuras a um acidental movimento da cauda do mesmo, aparentando cuidados que para mim não passavam de mal encoberta maldade, pudesse exprimir o seu pensamento contra o imperador dos alemães!
Em tais casos o sangue me subia à cabeça.
Foi isso o que, pouco a pouco, me fez olhar com mais atenção a grande imprensa.
Fui forçado a reconhecer uma vez que um dos jornais anti-semíticos, o Deutsche Volksblatt, em uma oportunidade idêntica, portara se de maneira mais decente.
O que também me enervava era a nojenta bajulação com que a grande imprensa se referia à França.
Éramos forçados a nos envergonhar de sermos alemães quando nos chegavam aos ouvidos esses açucarados hinos de louvor à grande nação da cultura.
Essa lastimável galomania mais de uma vez me levou a deixar cair das mãos um desses grandes jornais.
Freqüentemente, procurava o Volksblatt que, apesar de muito menor, parecia-me mais limpo nesses assuntos.
Não concordava com a sua atitude radicalmente anti-semítica, mas, de vez em quando, eu encontrava argumentações que me faziam refletir.
De qualquer modo, por meio de Volksblatt, eu pude conhecer aos poucos o homem e o movimento de que dependiam a sorte de Viena: o Dr. Karl Lueger e o Partido Social Cristão.
Quando vim para Viena era francamente contrário a ambos.
O movimento e o seu líder me pareciam reacionários.
O habitual sentimento de justiça deveria, porém, modificar esse julgamento, à proporção que se me oferecia oportunidade de conhecer o homem e a sua atuação. Com o tempo, tornei-me de franco entusiasmo por ele. Hoje, vejo-o, mais do que antes, como o mais forte burgo-mestre alemão de todos os tempos,
Quantas de minhas arraigadas convicções caíram por terra com essa mudança de modo de ver a respeito do movimento social-cristão!
A minha maior metamorfose foi, porém, a que experimentei em relação ao movimento anti-semítico.
Isso me custou, durante meses, as maiores lutas íntimas, entre os meus sentimentos e as minhas idéias, luta em que as idéias acabaram por triunfar.
Por ocasião dessa áspera luta entre a educação sentimental e a razão pura, a observação da vida de Viena prestou-me serviços inestimáveis.
Eu já não errava pelas ruas da importante cidade como um cego que nada vê. Com os olhos bem abertos, observava não mais somente os monumentos arquitetônicos mas também os homens.
Um dia em que passeava pelas ruas centrais da cidade, subitamente deparei com umindivíduo vestido em longo caftan e tendo pendidos da cabeça longos caches pretos.
Meu primeiro pensamento foi: isso é um judeu?
Em Linz eles não tinham as características externas da raça.
Observei o homem, disfarçada mas cuidadosamente, e quanto mais eu contemplava aquela estranha figura, examinando-a traço por traço, mais me perguntava a mim mesmo: isso é também um alemão?
Como acontecia sempre em tais ocasiões, tentei remover as minhas dúvidas recorrendo aos livros. Pela primeira vez na minha vida, comprei, por poucos pfennigs, alguns panfletos anti-semíticos. Infelizmente, todos partiam do ponto de vista de já ter o leitor algumconhecimento da questão semítica. O tom da maior parte desses folhetos era tal que, de novo, fiquei em dúvida. As suas afirmações eram apoiadas em argumentos tão superficiais e anticientíficos que a ninguém convenciam.
Durante semanas, talvez meses, permaneci na situação primitiva. O assunto parecia-me tão vasto, as acusações tão excessivas, que, torturado pelo receio de fazer uma injustiça, de novo fiquei em um estado de incerteza e ansiedade. Não me era lícito duvidar que, no caso, não se tratava de uma questão religiosa, mas de raça, pois logo que comecei a estudar
o problema e a observar os judeus, Viena apareceu-me sob um aspecto diferente. Já agora, para qualquer parte que me dirigisse, eu via judeus e quanto mais os observava mais firmemente convencido ficava de que eles eram diferentes das outras raças. Sobretudo no centro da cidade e na parte norte do canal do Danúbio, notava-se um verdadeiro enxame de indivíduos que, por seu aspecto exterior, em nada se pareciam com os alemães. Mesmo, porém, que me assaltassem ainda algumas dúvidas, todas as hesitações se dissipavam emface da atitude de uma parte dos judeus.
Surgiu entre eles um grande movimento de vasta repercussão em Viena que muito concorreu para um juízo seguro sobre o caráter racial dos judeus. esse movimento foi o Sionismo.
Parecia, à primeira vista, que só uma parte dos judeus aprovava essa atitude e que a grande maioria condenava aquele princípio e o rejeitava decididamente. Após observação mais acurada, verificava-se que essa aparência se traduzia em um misto de teorias, para não dizer de mentiras, apresentadas por motivos tácitos, pois o chamado judeu liberal rejeitava os pontos de vista dos sionistas, não porque esses fossemnão judeus mas porque eram judeus que pertenciam a um credo pouco prático e talvez mesmo perigoso para o próprio judaísmo.
Essa discórdia em nada alterava, porém, a solidariedade íntima entre os adversários.
A luta aparente entre os sionistas e os judeus liberais muito cedo me despertou nojo. Comecei a vê-la como hipócrita, uma deslavada miséria, de começo a fim, e, sobretudo, indignada da tão proclamada pureza moral desse povo.
De mais a mais, essa pureza moral ou de qualquer outra natureza era uma questão discutível. Que eles não eram amantes de banhos podia-se assegurar pela simples aparência. Infelizmente não raro se chegava a essa conclusão até de olhos fechados, Muitas vezes, posteriormente, senti náuseas ante o odor desses indivíduos vestidos de caftan. A isso se acrescentem as roupas sujas e a aparência acovardada e tem-se o retrato fiel da raça.
Tudo isso não era de molde a atrair simpatia. Quando, porém, ao lado dessa imundície física, se descobrissem as nódoas morais, maior seria a repugnância.
Nada se afirmou em mim tão depressa como a compreensão, cada vez mais completa, da maneira de agir dos judeus em determinados assuntos.
Poderia haver uma sujidade, uma impudência de qualquer natureza na vida cultural da nação em que, pelo menos um judeu, não estivesse envolvido?
Quem, cautelosamente, abrisse o tumor haveria de encontrar, protegido contra as surpresas da luz, algum judeuzinho. Isso é tão fatal como a existência de vermes nos corpos putrefatos.
O judaísmo provocou em mim forte repulsa quando consegui conhecer suas atividades, na imprensa, na arte, na literatura e no teatro.
Protestos moles já não podiam ser aplicados. Bastava que se examinassem os seus cartazes e se conhecessem os nomes dos responsáveis intelectuais pelas monstruosas invenções no cinema e no drama, nas quais se reconhecia o dedo do judeu, para que se ficasse por muito tempo revoltado. Estava-se em face de uma peste, peste espiritual, pior do que a devastadora epidemia de 1348, conhecida pelo nome de Morte Negra. E essa praga estava sendo inoculada na nação.
Quanto mais baixo é o nível intelectual e moral desses industriais da Arte, tanto mais ilimitada é a sua atuação, pois até os garotos, transformados, em verdadeiras máquinas, espalham essa sujeira entre os seus camaradas. Reflita-se também no número ilimitado das pessoas contagiadas por esse processo, Pense-se em que, para um gênio como Goethe, a natureza lança no mundo dezenas de milhares desses escrevinhadores que, portadores de bacilos da pior espécie, envenenam as almas.
É horrível constatar, - mas essa observação não deve ser desprezada.-.ser justamente o judeu que parece ter sido escolhido pela natureza para essa ignominiosa tarefa.
Dever-se-ia procurar na ignomínia dessa missão o motivo de haver essa escolha recaído nos judeus?
Comecei a estudar cuidadosamente os nomes de todos os criadores dessas podridões artísticas fornecidas ao povo. O resultado foi aumentar as minhas prevenções na atitude emrelação aos judeus. Por mais que isso contrariasse meus sentimentos, eu era arrastado pela razão a tirar as minhas conclusões do que observava.
Não se podia negar - porque era uma realidade - o fato de correrem por conta dos judeus nove décimos da sordidez e dos disparates da literatura, da arte e do teatro, fato esse tanto mais grave quanto é sabido que esse povo representa um centésimo da população do país.
Comecei também a examinar debaixo do mesmo ponto de vista a grande imprensa de minha predileção.
À proporção que o meu exame se aprofundava diminuía o motivo de minha antiga admiração por essa imprensa. O estilo desses jornais era insuportável, as idéias eu as repelia por superficiais e banais e as afirmações pareciam aos meus olhos conter mais mentiras do que verdades honestas. E os editores dessa imprensa eram judeus!
Muitas coisas que até então quase me passavam despercebidas agora me chamavam a atenção como dignas de ser observadas, outras que já tinham sido objeto de minhas reflexões passaram a ser melhor compreendidas.
Comecei a ver sob outra luz as opiniões liberais desses periódicos. O tom de distinção das réplicas aos ataques, assim como o seu completo silêncio em certos assuntos, revelavam-se agora como truques inteligentes e vis. As suas brilhantes criticas teatrais sempre favoreciam os autores judeus e as apreciações desfavoráveis só atingiam os autores alemães.
Suas ligeiras alfinetadas contra Guilherme II, assim como os elogios à cultura e à civilização francesa, evidenciavam a persistência nos seus métodos. O conteúdo das novelas era de repelente imoralidade e na linguagem via-se claramente o dedo de um povo estrangeiro. O sentido geral dos seus escritos era tão evidentemente depreciador de tudo quanto era alemão, que não se podia deixar de nisso ver uma intenção deliberada.
Quem teria interesses nessa campanha?
Seria tanta coincidência mero acaso?
A dúvida foi crescendo em meu espírito.
Essa evolução mental precipitou-se com a observação de outros fatos, com o exame dos costumes e da moral seguidos pela maior parte dos judeus.
Aqui ainda foi o espetáculo das ruas de Viena que me proporcionou mais uma lição prática.
As ligações dos judeus com a prostituição e sobretudo com o tráfico branco podiam ser estudadas em Viena, melhor do que em qualquer cidade da Europa ocidental, como exceção, talvez, dos portos do sul da França.
Quem à noite passeasse pelas ruas e becos de Viena seria, quer quisesse quer não, testemunha de fatos que se conservaram ocultos a grande parte do povo alemão, até que a Guerra deu aos lutadores oportunidade de poderem, ou melhor, de serem obrigados a assistir a cenas semelhantes.
Quando, pela primeira vez, vi o judeu envolvido, como dirigente frio, inteligente e semescrúpulos, nessa escandalosa exploração dos vícios do rebotalho da grande cidade, passou-me um calafrio pelo corpo, logo seguido de um sentimento de profunda revolta.
Então não mais evitei a discussão sobre o problema semítico.
Como procurava aprender a vida cultural e artística dos judeus sob todos os aspectos, encontrei-os em uma atividade que jamais me tinha passado pela mente.
Agora que me tinha assegurado de que os judeus eram os líderes da social-democracia, comecei a ver tudo claro. A longa luta que mantive comigo mesmo havia chegado ao seu ponto final.
Nas relações diárias com os meus companheiros de trabalho, já minha atenção tinha sido despertada pelas suas surpreendentes mutações, a ponto de tomarem posições diferentes emtorno de um mesmo problema, no espaço de poucos dias e, às vezes, de poucas horas.
Dificilmente eu podia compreender como homens que, tomados isoladamente, possuemvisão racional das coisas, perdem-na de repente, logo que se põem em contato com as massa. Era motivo para duvidar de seus propósitos.
Quando, depois de discussões que duravam horas inteiras, eu me tinha convencido de haver afinal esclarecido um erro e já exultava com a vitória, acontecia que, com pesar meu, no dia seguinte, tinha de recomeçar o trabalho, pois tudo tinha sido debalde. Como um pêndulo em movimento, que sempre volta para as mesmas posições, assim acontecia com os erros combatidos, cuja reaparição era sempre fatal.
Assim pude compreender: 1.° que eles não estavam satisfeitos com a sorte que tãoáspera lhes era; 2.° que odiavam os empregadores que lhes pareciam os responsáveis por essa situação; 3.° que injuriavam as autoridades que lhes pareciam indiferentes ante a sua deplorável situação; 4.° que faziam demonstrações nas ruas sobre a questão dos preços dos gêneros de primeira necessidade.
Tudo isso podia-se ainda compreender, pondo-se a razão de lado. O que, porém, era incompreensível era o ódio sem limites à sua própria nação, o achincalhamento das suas grandezas, a profanação da sua história, o enlameamento dos seus grandes homens.
Essa revolta contra a sua própria espécie, contra a sua própria casa, contra o seu próprio torrão natal, era sem sentido, inconcebível e contra a natureza.
Durante dias, no máximo semanas, conseguia-se livrá-los desse erro Quando, mais tarde, encontrávamos o pretenso convertido, já os antigos erros de novo se haviam apoderado de seu espírito. A monstruosidade tinha tomado posse de sua vítima.
Pouco a pouco, compreendi que a imprensa social-democrática era, na sua grande maioria, controlada pelos judeus. Liguei pouca importância a esse fato que, aliás, se verificava com os outros jornais. Havia, porém, um fato significativo: nenhum jornal emque os judeus tinham ligações poderia ser considerado como genuinamente nacional, no sentido em que eu, por influência de minha educação, entendia essa palavra.
Vencendo a minha relutância, tentei ler essa espécie de imprensa marxista, mas a repulsa por ela crescia cada vez mais. Esforcei-me por conhecer mais de perto os autores dessa maroteira e verifiquei que, a começar pelos editores, todos eram judeus.
Examinei todos os panfletos sociais-democráticos que pude conseguir e, invariavelmente, cheguei à mesma conclusão: todos os editores eram judeus. Tomei nota dos nomes de quase todos os líderes e, na sua grande maioria, eram do povo escolhido, quer se tratasse de membros do Reichscrat, de secretários dos sindicatos, de presidentes de associações ou de agitadores de rua. Em todos encontravam-se sempre a mesma sinistra figura do judeu. Os nomes de Austerlitz, David, Adler, Ellenbogen etc., ficarão eternamente na minha memória.
Uma coisa tornou-se clara para mim. Os líderes do Partido Social Democrata, com os pequenos elementos do qual eu tinha estado em luta durante meses, eram quase todos pertencentes a uma raça estrangeira, pois para minha satisfação íntima, convenci-me de que
o judeu não era alemão. Só então compreendi quais eram os corruptores do povo.
Um ano de estadia em Viena tinha sido suficiente para dar-me a certeza de que nenhumtrabalhador deveria persistir na teimosia de não se preocupar com a aquisição de umconhecimento mais certo das condições sociais. Pouco a pouco, familiarizei-me com a sua doutrina e dela me utilizava como instrumento para a formação de minhas convicçõesíntimas.
Quase sempre a vitória se decidia para o meu lado.
Todo esforço devia ser tentado para salvar as massas, ainda com grandes sacrifícios de tempo e de paciência.
Do lado dos judeus nenhuma esperança havia, porém, de libertá-los de um modo de encarar as coisas.
Nesse tempo, na minha ingenuidade de jovem, acreditei poder evidenciar os erros da sua doutrina. No pequeno círculo em que agia, esforçava-me, por todos os meios ao meu alcance, por convencê-los da perniciosidade dos erros do marxismo e pensava atingir esse objetivo, mas o contrário é o que acontecia sempre. Parecia que o exame cada vez mais profundo da atuação deletéria das teorias sociais democráticas nas suas aplicações servia apenas para tornar ainda mais firmes as decisões dos judeus.
Quanto mais eu contendia com eles, melhor aprendia a sua dialética. Partiam eles da crença na estupidez dos seus adversários e quando isso não dava resultado fingiam-se eles mesmos de estúpidos. Se falhavam esses recursos, eles se recusavam a entender o que se lhes dizia e, de repente, pulavam para outro assunto, saíam-se com verdadeiros truismos que, uma vez aceitos, tratavam de aplicar emcasos inteiramente diferentes. Então quando, de novo, eram apanhados no próprio terreno que lhes era familiar, fingiam fraqueza e alegavam não possuir conhecimentos preciosos.
Por onde quer que se pegassem esses apóstolos, eles escapuliamcomo enguias das mãos dos adversários. Quando, um deles, na presença de vários observadores, era derrotado tão completamente que não tinha outra saída senão concordar, e que se pensava haver dado umpasso para a frente, experimentava-se a decepção de, no dia seguinte, ver o adversárioadmirado de que assim se pensasse. O judeu esquecia inteiramente o que se lhe havia dito na véspera e repetia os mesmos antigos absurdos, como se nada, absolutamente nada, houvesse acontecido. Fingia-se encolerizado, surpreendido e, sobretudo, esquecido de tudo, exceto de que o debate tinha terminado por evidenciar a verdade de suas afirmações.
Eu ficava pasmo.
Não se sabia o que mais admirar, se a sua loquacidade, se o seu talento na arte de mentir.
Gradualmente comecei a odiá-los.
Tudo isso tinha, porém, um lado bom. Nos círculos em que os adeptos, ou pelo menos os propagadores da social-democracia, caíam sob as minhas vistas, crescia o meu amor pelo meu próprio povo.
Quem poderia honestamente anatematizar as infelizes vítimas desses corruptores dopovo, depois de conhecer-lhes as diabólicas habilidades?
Como era difícil, até mesmo a mim, dominar a dialética de mentiras dessa raça!
Quão impossível era qualquer êxito nas discussões com homens que invertem todas as verdades, que negam descaradamente o argumento ainda há pouco apresentado para, no minuto seguinte, reivindicá-lo para si!
Quanto mais eu me aprofundava no conhecimento da psicologia dos judeus, mais me via na obrigação de perdoar aos trabalhadores.
Aos meus olhos, a culpa maior não deve recair sobre os operários mas sim sobre todos aqueles que acham não valer a pena compadecer-se da sua sorte, com estrita justiça dar aos filhos do povo o que lhes é devido, mas poupar os que os desencaminham e corrompem.
Levado pelas lições da experiência de todos os dias, comecei a pesquisar as fontes da doutrina marxista. Em casos individuais, a sua atuação me parecia clara. Diariamente, eu observava os seus progressos e, com um pouco de imaginação, podia avaliar as suas conseqüências. A Única questão a examinar era saber se os seus fundadores tinhampresente no espírito todos os resultados de sua invenção ou se eles mesmos eram vitimas de um erro.
As duas hipóteses me pareciam possíveis.
No primeiro caso, era dever de todo ser pensante colocar-se à frente da reação contra esse desgraçado movimento, para evitar que chegasse às suas extremas conseqüências; na segunda hipótese, os criadores dessa epidemia coletiva deveriam ter sido espíritos verdadeiramente diabólicos, pois só um cérebro de monstro - e não o de um homem - poderia aceitar o plano de uma organização de tal porte, cujo objetivo final conduzirá à destruição da cultura humana e à ruína do mundo.
Nesse último caso, a solução que se impunha, como última tábua de salvação, era a luta com todas as armas que pudesse abraçar a razão e a vontade dos homens, mesmo se a sorte do combate fosse duvidosa.
Assim comecei a entrar em contato com os fundadores da doutrina a fim de poder estudar os princípios em que se fundava o movimento marxista. Consegui esse objetivo mais depressa do que me seria lícito supor, devido aos conhecimentos que possuía sobre a questão semítica, embora ainda não muito profundos. Essa circunstância tornou possível uma comparação prática entre as realidades do mesmo e as reivindicações teóricas da social-democracia, que tanto me tinha auxiliado a entender os métodos verbais do povo judeu, cuja principal preocupação é ocultar ou pelo menos disfarçar os seus pensamentos. Seu objetivo real não está expresso nas linhas mas oculto nas entrelinhas.
Foi por esse tempo que se operou em mim a maior modificação de idéias que devia experimentar. De inoperante cidadão do mundo passei a ser um fanático anti-semita. Mais uma vez ainda - e agora pela última vez - pensamentos sombrios me arrastavam ao desânimo.
Durante meus estudos sobre a influência da nação judaica, através de longos períodos da história da civilização, o tétrico problema se armou diante de mim não teria inescrutável destino, por motivos ignorados por nós, pobres mortais, decretado a vitória final dessa pequena nação?
A esse povo não teria sido destinado o domínio da Terra como uma recompensa?
À proporção que me aprofundava no conhecimento da doutrina marxista e me esforçava por ter uma idéia mais clara das atividades do marxismo, os próprios acontecimentos se encarregavam de dar uma resposta àquelas dúvidas.
A doutrina judaica do marxismo repele o princípio aristocrático na natureza. Contra o privilégio eterno do poder e da força do indivíduo levanta o poder das massas e o peso-morto do número. Nega o valor do indivíduo, combate a importância das nacionalidades e das raças, anulando assim na humanidade a razão de sua existência e de sua cultura. Por essa maneira de encarar o universo, conduziria a humanidade a abandonar qualquer noção de ordem. E como nesse grande organismo, só o caos poderia resultar da aplicação desses princípios, a ruína seria o desfecho final para todos os habitantes da Terra.
Se o judeu, com o auxilio do seu credo marxista, conquistar as nações do mundo, a sua coroa de vitórias será a coroa mortuária da raça humana e, então, o planeta vazio de homens, mais uma vez, como há milhões de anos, errará pelo éter.
A natureza sempre se vinga inexoravelmente de todas as usurpações contra o seu domínio.
Por isso, acredito agora que ajo de acordo com as prescrições do Criador Onipotente. Lutando contra o judaísmo, estou realizando a obra de Deus.




Links:


Sanderlei Silveira (Website)

Conheça seu Estado - História e Geografia

Poesia em Português, Inglês, Espanhol e Francês

Áudio Livro

Livros Online

Obra completa de Machado de Assis

Billboard Hot 100 - Letras de Músicas | Song Lyrics - Songtext - Testo Canzone - Paroles Musique - 歌曲歌词 - 歌詞 - كلمات الاغنية - песни Текст

Educação Infantil - Vídeos, Jogos e Atividades Educativas para crianças de 4 à 11 anos

Língua Portuguesa e Atualidades

Arte e Estética

Santa Catarina - Conheça seu Estado

São Paulo - Conheça seu Estado

Paraná - Conheça seu Estado

Mato Grosso do Sul - Conheça seu Estado

Bíblia Online

O Diário de Anne Frank

Macunaíma - Mário de Andrade

Dom Casmurro - Machado de Assis

Quincas Borba - Machado de Assis

Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis

Esaú e Jacó - Machado de Assis

Mein Kampf - Adolf Hitler

Cinco Minutos - José de Alencar

O Triste Fim de Policarpo Quaresma - Lima Barreto

História em 1 Minuto

TOP 15: PDF para Download - Domínio Público


Livros em PDF para Download

Eça de Queiros - Livros em PDF para Download

Jane Austen - Livros em PDF para Download

José de Alencar - Livros em PDF para Download

Machado de Assis - Livros em PDF para Download

Virginia Woolf - Livros em PDF para Download

William Shakespeare - Livros em PDF para Download

Mein Kampf - Adolf Hitler - Download PDF Livro Online

O Alienista - Machado de Assis - PDF Download Livro Online

O Diário de Anne Frank - Download PDF Livro Online

Macunaíma - Mário de Andrade - PDF Download Livro Online

Esaú e Jacó - Machado de Assis - PDF Download Livro Online

Dom Casmurro - Machado de Assis - PDF Download Livro Online

Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis - PDF Download Livro Online

Quincas Borba - Machado de Assis - PDF Download Livro Online

TOP 10: Billboard - Letras de Músicas - Song Lyrics - Songtext


One Dance - Drake - Song Lyrics

Broccoli - D.R.A.M. - Song Lyrics

Don't Mind - Kent Jones - Song Lyrics

Luv - Tory Lanez - Song Lyrics

Can't Stop The Feeling! - Justin Timberlake - Song Lyrics

This Is What You Came - Calvin Harris Ft. Rihanna - Song Lyrics

Sorry - Justin Bieber - Song Lyrics

Sit Still, Look Pretty - Daya - Song Lyrics

Fix - Chris Lane - Song Lyrics

With You Tonight / Hasta El Amanecer - Nicky Jam - Song Lyrics

TOP 60:


As festas populares no estado de São Paulo

Assalto - Carlos Drummond de Andrade

Atividades extrativistas do estado de São Paulo - SP

As festas populares no estado do Paraná - PR

Áreas de preservação no estado de São Paulo - SP

Gonçalves Dias - Marabá - Poesia

O tropeirismo no estado do Paraná - PR

Bacias hidrográficas do estado de São Paulo - SP

Atividades extrativistas no Paraná - PR

Os imigrantes no século XIX e XX no estado do Paraná - PR

Atividades extrativistas do Mato Grosso do Sul - MS

As atividades econômicas do estado de São Paulo - SP

As festas populares do estado de Mato Grosso do Sul - MS

Biomas brasileiros - SC

Atividades extrativistas de Santa Catarina - SC

Religião – Idade Antiga (História em 1 Minuto)

A população africana e a escravidão no Paraná - PR

Os imigrantes no estado de Santa Catarina no século XX - SC

Áreas de preservação Ambiental no estado de Santa Catarina - SC

As comunidades quilombolas no Mato Grosso do Sul - MS

O relevo do estado de São Paulo - SP

As atividades econômicas do estado do Paraná - PR

Áreas de preservação Ambiental no estado de Mato Grosso do Sul - MS

Memórias Póstumas de Brás Cubas - Capítulo 160 - Das Negativas (Machado de Assis)

Os biomas no estado do Mato Grosso do Sul - MS

A urbanização no estado de São Paulo no início do século XX - SP

A organização do espaço geográfico brasileiro

A poluição do rio Iguaçu (maior rio do Paraná) - PR

Clima e relevo do estado do Paraná - PR

As atividades econômicas no estado de Santa Catarina - SC

Áreas de preservação do estado do Paraná - PR

O Humanitismo - Capítulo 117 - Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis

As comunidades quilombolas no estado de Santa Catarina - SC

Vegetação nativa do estado de Santa Catarina - SC

As comunidades quilombolas no estado de São Paulo na atualidade - SP

Os índios Xetá no estado do Paraná - PR

Bacias hidrográficas de Santa Catarina - SC

Rio Iguaçu e sua importancia na historia do Paraná - PR

Machado de Assis - Esaú e Jacó - Capítulo 60 - Manhã de 15

A ocupação e o povoamento do Mato Grosso do Sul - MS

Clima e relevo no estado de Santa Catarina - SC

A formação da cultura de Santa Catarina - SC

Capítulo 17 - Ursa Maior - Mário de Andrade - Macunaíma

Luís Vaz de Camões - Soneto 57 - De Vos me Aparto, oh Vida! Em Tal Mudança

Bacias hidrográficas do Mato Grosso do Sul - MS

Gonçalves Dias - Canção do exílio - Poesia

As comunidades quilombolas no estado do Paraná - PR

A imigração europeia no estado do Paraná - PR

Elizabeth Barrett Browning - Sonnet 43 - How Do I Love Thee?

Biomas brasileiros - PR

Relevo do estado de Mato Grosso do Sul - MS

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas

Luís Vaz de Camões - Soneto 43 - Como Quando do Mar Tempestuoso

A população indígena na região do estado de Santa Catarina - SC

Luís Vaz de Camões - Soneto 45 - Leda Serenidade Deleitosa

Norte Catarinense (Mesorregião) - SC

Top 10 - Prédios mais altos do mundo

A arte como registro histórico

A escultura, depois de Alexander Calder

Atividades Educativas Ensino Fundamental - Aprendendo sobre o Dinheiro

TOP 10: BLOG


História em 1 Minuto

Santa Catarina - Conheça seu Estado (História e Geografia)

São Paulo - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Paraná - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Mato Grosso do Sul - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Rio de Janeiro - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Língua Portuguesa, Arte e Literatura

Letras de Músicas - Sanderlei

Poesia - Sanderlei Silveira

Áudio Livro - Sanderlei